Regional

05/09/2019 07:39 ReporterMT

Juina: Risco de epidemia e massacre ameaça vida de agentes penitenciários

As unidades do Sistema Prisional de Mato Grosso enfrentam uma crise, que engloba de superlotação e risco de epidemia de hanseníase. A situação mais crítica, no momento, é a do Centro de Detenção Provisória (CDP), em Juína (735 km da Capital).

O CDP possui 40% dos presos, seis agentes penitenciários e alguns familiares de detentos com o diagnóstico positivo para hanseníase.

O Estado não possui controle do número de reeducandos com a doença e não possui uma estrutura adequada para fornecer o tratamento e acompanhamento.

Só no início do ano foram contabilizados 90 presos doentes para um total de 230 presidiários, no CDP, em Juína.

A Penitenciária Dr. Osvaldo Florentino Leite Ferreira, conhecida como “Ferrugem”, em Sinop (480 km de Cuiabá), também registrou diversos casos da doença. Além disso, o local enfrenta um caso grave de superlotação.

A presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado de Mato Grosso (Sindspen-MT), Jacira Maria da Costa Silva apontou que é alarmante a situação vivida pela classe na unidade. Os agentes penitenciários estariam dando a vida para manter as unidades prisionais do Estado sob controle.

O local está com superlotação, como já foi noticiado pelo , maior que o dobro do Centro de Recuperação Regional (CRC) de Altamira (Pará), onde um confronto entre facções resultou em um massacre, devido à morte de 58 detentos – sendo 16 deles decapitados.

Decisões judiciais

O juiz responsável pelo CDP, Vagner Dupim Dias determinou a interdição parcial da unidade. O local está há mais de um ano sem médico e foi uma das razões para que o índice de infectados aumentasse.

O Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE), por meio de suas Secretarias de Controle Externo de Educação e Segurança Pública e de Controle Externo de Saúde e Meio Ambiente, apontou omissão por parte do Poder Executivo.

O TCE pediu uma explicação por parte do Governo do Estado e que fossem tomadas providências pelas Secretarias de Estado de Segurança e de Saúde. Trecho da notificação diz que o risco é iminente para que haja disseminação da doença.

Já no caso do Ferrugem, no mês de agosto, o juiz João Manoel Pereira Guerra, da Comarca de Sinop, acolheu de forma excepcional um pedido de transferência do presídio de Sorriso para a cidade.

No entanto, ao falar da situação do local ele apontou que era uma “tragédia anunciada”, devido à superlotação.

Em Sinop, o Presídio Ferrugem tem capacidade para 326 detentos e atualmente está com 1.000 presos, conforme escreveu o magistrado.

Para a presidente do Sindispen, a situação é caótica e está longe do que o Governo diz, “discordamos desse posicionamento que acha que por si só o problema irá se resolver, como se algo que pudesse esperar”, apontou.

Outro Lado

A Sesp informou ao  , que o TCE deu cinco dias para que o Estado se posicione sobre a representação. O plano de providências será elaborado em conjunto entre a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESP) e a Secretaria de Estado de Saúde (SES). Após o mesmo ser concluído, a Secom vai se posicionar sobre o tema.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo