Regional

05/02/2019 10:36 OlharDireto

Juiz nega pedido de cabos e soldados da PM e Bombeiros para indenização sobre RGA não pago

O juiz Márcio Aparecido Guedes, da Segunda Vara Especializada da Fazenda Pública, negou um pedido da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Estado de Mato Grosso (ACS-MT), para que fossem indenizados em decorrência do não pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) da classe referente aos anos de 1999, 2001, 2002 e 2003, por parte do Governo do Estado. O magistrado argumentou que a Lei Estadual que regulamenta o RGA só foi sancionada em 2005 e o direito só pode ser exigível após a vigência da lei.

A ACS-MT argumentou que a Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998, assegura a revisão geral anual da remuneração dos profissionais. Eles afirmam que no período entre a promulgação da PEC e a sanção da Lei Estadual nº 8.324/2005, que dispões sobre os reajustes, o Estado não teria efetuado o pagamento.
 
Os militares afirmam que neste período a inflação subiu e a remuneração não acompanhou este aumento. Eles então pedem indenização por danos materiais correspondente ao período de 1999, 2001, 2002, 2003, no percentual de 48,26% e demais consectários legais
 
O magistrado argumentou que a revisão geral anual, prevista na Constituição Federal, não é norma de aplicação imediata, dependendo de lei posterior para sua regulamentação. No caso, a lei só foi sancionada em Mato Grosso em 2005.
 
“Portanto, o direito à revisão geral anual só pode ser exigível com a entrada em vigor de lei específica que verse sobre a RGA, sendo inexequível antes da edição desta, em virtude da norma constitucional possuir eficácia limitada e deixar claro no seu texto a necessidade de reserva de lei para sua exeqüibilidade”.
 
“Dessa forma inexistindo lei, o Poder Público não está autorizado a conceder o reajuste da remuneração dos servidores públicos”, disse o magistrado.
 
Ele também justificou que não caberia ao Poder Judiciário impor a regulamentação de diplomas normativos aos outros poderes.
 
“No caso de omissão do Poder Executivo não cabe ao Poder Judiciário interferir e determinar a regulamentação do benefício aos servidores públicos, sob pena de ferir-se o princípio constitucional da separação dos poderes”.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo