Regional

07/05/2018 06:23 MidiaNews

Mato Grosso engatinha na reciclagem de lixo eletrônico

O Brasil gerou cerca de 1,5 milhão de toneladas de lixo oriundo de equipamentos eletrônicos em 2016. Deste total, menos de 20% foram reciclados ou reutilizados, o que faz do País o segundo maior produtor deste tipo de material, atrás apenas dos Estados Unidos. Os dados constam de um relatório elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e foram divulgados em dezembro do ano passado.

Quando descartadas sem cuidado no ambiente, as chamadas sucatas eletrônicas  computadores, TVs, impressoras celulares, lâmpadas, fios etc  representam um grave problema ambiental. Mantidas em casa, ocupam espaço e causam transtorno. 

Em Cuiabá, uma das empresas que tentam resolver os dois problemas é a Ecodescarte, que há seis anos se especializou na coleta desse tipo de "relíquia" digital. “Não acredito que sejamos a única do mercado em Cuiabá, mas com certeza somos a única que emite certificado de destinação do produto”, diz o proprietário da Ecodescarte, Thiago Pegorini.

Segundo ele, o diferencial do serviço é o recolhimento a domicílio dos materiais. “A pessoa ou empresa junta um volume considerável de lixo eletrônico e nós recolhemos”, explica.

O serviço de coleta é gratuito, exceto para materiais como lâmpadas florescentes, pilhas e toners  – que contêm material contaminado – é cobrada uma taxa. De acordo com Pegorini, a descontaminação desse material tem um custo, e por isso ele é repassado para o consumidor. No caso das lâmpadas florescentes, a descontaminação é feita no local, com o auxílio de um equipamento trazido da Alemanha. No processo, o mercúrio expelido pela lâmpada é extraído e produto fica “limpo” para o meio ambiente.

“Se houver o descarte incorreto desse objetos que contêm material contaminante, há o risdco de contaminação do lençol freático e de prejuízos à nossa saúde”, explica.

Além da reciclagem, existe a possibilidade da reutilização. Nesses casos, a empresa vende os aparelhos a preços simbólicos para técnicos de informática que os desmontam para a retirada de peças.

No estoque da empresa, há diversos notebooks, impressoras e televisores. “Em relação a esses produtos, não garantimos a funcionalidade de nada. Normalmente, as pessoas vêm aqui e compram para reutizar em outros aparelhos”.

A Ecodescarte consegue reciclar mensalmente cerca de 10 a 15 toneladas. 

Criação da empresa

A ideia de montar a empresa de reciclagem veio em razão de outro negócio da família de Pegorini: uma loja de compra e venda de aparelhos usados de informática. Ele conta que muito clientes traziam à empresa aparelhos eletrônicos já que não possuíam mais valor de mercado.

Nesse processo, Thiago e o irmão tiveram a ideia de abrir outra empresa e profissionalizar a reciclagem dos eletrônicos. “Vimos a necessidade também de emitir o ‘Certificado de Destinação Correta dos Resíduos’”, disse.

 


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados a Gund e Caldas LTDA ME - Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo