Regional

09/03/2018 16:55 OlharDireto

Autoridades apontam falta de investimento da Rota do Oeste na BR-163; concessionária rebate acusações

A falta de investimentos em três importantes trechos da rodovia BR-163, sob responsabilidade da concessionária Rota do Oeste, foi alvo de criticas no seminário que discutiu a infraestrutura da estrada, nesta semana. As menções foram direcionadas a sinalização na rodovia dos Imigrantes, em Várzea Grande, e a paralisação de obras nos trechos que ligam a Capital a Rosário do Oeste, e o município de Diamantino a Sinop. A concessionária rebateu as acusações, reforçando que desde que assumiu os 850,9 quilômetros da BR-163, em 2014, vem cumprindo todas as obrigações contratuais.

Na ocasião o secretário de assuntos estratégicos de Várzea Grande, Jayme Campos atribuiu os altos índices de acidentes na rodovia a falta de semáforos e travessias. “A Prefeitura banca pelo menos os semáforos, para colocar na entrada do São Matheus, da Praia Grande, do Capão Grande. Um diretor que foi até a Prefeitura e disse que iria fazer a melhor sinalização para atender a demanda e até hoje nada. A prefeita determinou que fossem colocados ali dois semáforos, eles responderam que não era pra colocar.”


Especificamente sobre a rodovia dos Imigrantes, a empresa destacou que já recuperou os 28 quilômetros da via por duas vezes. A rodovia também conta com manutenção rotineira. Antes dos trabalhos, os motoristas levavam até quatro horas para percorrer o trajeto. Com relação a uma possível quebra de contrato, o secretário de Infraestrutura, Marcelo Duarte, explicou que há um consenso em Brasília de que isso pode piorar a situação. Em sua opinião, contudo, a questão chegou a um ponto insustentável. “Acho que nossas autoridades federais precisam tomar uma atitude. O governador Pedro Taques já se manifestou nesse sentido e uma solução precisa ser encontrada, que não seja passar a mão na cabeça da concessionária. Esperamos que ANTT tome as devidas providências”, disse.


Questionado sobre a possibilidade de que a Via Brasil, que recentemente arrematou dois trechos estaduais,  repita estes problemas, ele garantiu que a modalidade de editais pela qual o processo foi realizado é diferente, o que assegura a realização dos investimentos previstos, de R$ 900 milhões. Assim, de acordo com Duarte, quando o Governo Federal “concessionou” a Rota do Oeste, foi utilizado como critério a menor tarifa. Enquanto que o usado desta vez foi o de maior outorga. “Pela menor tarifa a viabilidade da concessionária fica comprometida. Além disso, a taxa de retorno proposta pelos nossos projetos está acima da taxa de mercado, enquanto que a taxa de retorno colocada nos projetos do Governo Federal contava com o dinheiro subsidiado do BNDES, que acabou não vindo”, explica.


No dia 28 de fevereiro, o Consórcio Via Brasil arrematou por R$ 16 milhões os dois lotes de privatização dos trechos de 111,9 km da rodovia MT-100 em Alto Araguaia (Lote 1) e de 188,2 Km da rodovia MT-320 | MT-208 em Alta Floresta (Lote 2). Por meio de nota, a Rota do Oeste reforçou que cumpre todas as obrigações contratuais, que incluem serviços de manutenção, recuperação e conservação da rodovia, além da oferta de atendimento ao usuário. Atualmente, o único serviço suspenso é a obra de duplicação. A Concessionária aguarda posicionamento do Governo Federal para apresentar o cronograma de obras e retomar as atividades o mais rápido possível.


Desde quando assumiu o trecho a empresa afirma ter investido R$ 1,7 bilhão, valor aplicado em várias frentes de trabalho, o que inclui a duplicação da 117,6 km da BR-163 (da divisa do Estado com Mato Grosso do Sul a Rondonópolis), a recuperação de mais de 800 quilômetros de rodovia, implantação de passarela em Sorriso, revitalização e readequação viária da travessia urbana de Nova Mutum e recuperação das travessias urbanas de Rondonópolis, Lucas do Rio Verde e Sorriso, além da implantação dos serviços operacionais que realizam, em média, 350 atendimentos por dia.
"A recuperação, manutenção e conservação do segmento da BR-364, que vai de Várzea Grande a Rosário Oeste, passou a ser responsabilidade da Rota do Oeste em 2016, atendendo a uma solicitação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Desde que assumiu a responsabilidade por esses 108 quilômetros, a Rota do Oeste trabalha para melhorar as condições de trafegabilidade da via. Os serviços na região são realizados dia e noite", diz trecho do texto. 


Em junho de 2017, as atividades de recuperação foram intensificadas entre Várzea Grande e Rosário Oeste, em decorrência do alto fluxo de veículos de cargas que passa pela região. Mais de 100 quilômetros já foram totalmente recuperados e os serviços ainda estão em andamento. Para esta região, a Rota do Oeste iniciou esta semana um pacote de obras para a recuperação de quatro pontes. Nesta semana, o serviço é realizado no km 513, na ponte sobre o Córrego Guanandi.


Sobre o norte da BR-163, a Rota do Oeste reforça que mantém sete equipes na região para promoção de recuperação contínua de pavimento e reparos localizados, onde a demanda seja mais urgente.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo