Regional

04/03/2018 15:42 Rayane Alves, repórter do GD

Mortes por homofobia dobram em MT e 50% dos assassinos estão soltos

Os crimes motivados por homofobia têm aumentado em Mato Grosso a exemplo de várias outras cidades do País. Balanço divulgado pelo Grupo Estadual de Combate aos Crimes de Homofobia (GECCH), que faz parte da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), mostra que foram 14 homicídios no Estado motivados por homofobia em 2017. O aumento representa 100% na comparação com 2015. No compativo com 2016, a diferença é menor, ficando em 50%.

Do total de crimes contabilizados, 7 autores foram identificados e presos pelas Polícias Militar e Civil, o que corresponde a metade dos suspeitos por homicídios contra integrantes do grupo de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT’s).

Em 2011, foram registrados 9 assassinatos por motivação homofóbica, no ano seguinte foram 8, em 2013 subiu para 11, enquanto o ano de 2014 fechou com 10 casos. Já em 2015 foram 7 casos.

Em Mato Grosso, desde 2009, os boletins de ocorrências registrados contam com a motivação de homofobia. Em 2010 foi incluído o campo para nome social de travestis e transexuais e em 2016 passou a conter a orientação sexual.

Mas, o aumento nos casos pode estar relacionado a vários motivos, como por exemplo, o maior acesso a informação dos direitos garantidos aos LGBT’s.O secretário do GECCH, major PM Ricardo Bueno, ressalta que esses campos colaboram com a investigação policial. Porém, avaliou que apesar dos dados de mortes e agressões serem registrados com frequência em em Mato Grosso, a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) não tem condições de fazer uma análise com as pessoas que foram agredidas. Justifica que a maioria delas não registra o boletim de ocorrência por medo, retaliação ou até mesmo por aceitar que seus direitos sejam violados.

Crimes

Entre os 7 suspeitos de assassinar pessoas LGBT's está Thiago Marques, 28. Ele foi acusado de matar atropelada a travesti Natália Pimentel, 22, e teve a prisão decretada pela Justiça. Thiago chegou a ser preso em outubro de 2017, no bairro Osmar Cabral, em Cuiabá, mas estava respondendo pelo crime em liberdade. O acusado morreu por causas naturais ano passado.

As mortes por homofobia vêm aumentando em todo país. De acordo com o Grupo Gay da Bahia (GGB), referência de fonte de pesquisa, 2017 foi o ano com maior número de assassinatos cometidos contra pessoas homossexuais desde o início do levantamento, há 37 anos.

Conforme o representante da Associação LGBTs e Conselho Municipal de Atenção a Diversidade Sexual de Mato Grosso, Clóvis Arantes, ao menos 10% da população cuiabana se declaram como membros da sigla. Outro preferem não comentar a situação por medo de sofrer preconceito principalmente no mercado de trabalho. Mas, em sua avaliação o Estado continua sendo o mais violento porque não tem políticas públicas em favor dos integrantes.

"Não queremos políticas de assistencialismo e sim programas de inclusão. Imagina uma pessoa homossexual que é pobre e negro. Certamente ela é três vezes discrimanda. Precisamos mudar essa realidade que mata e não estamos tendo apoio nessa situação", desabafou.

Atuação

Com o boletim de ocorrência devidamente preenchido, o GECCH pode atuar de forma integrada e sistêmica, materializando os índices de criminalidade referentes à população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

"Com a descrição da formatação do boletim de ocorrência, nosso Estado acabou se tornando uma referência nacional. Tudo porque priorizamos também o direito, respeito e dignidades às vítimas. Neste ano, vamos pensar em novas ações para que possamos analisar melhor o perfil das vítimas para que possíveis novos crimes sejam evitados", finalizou. (Com informações da assessoria). 


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo