Educação

29/11/2020 09:20 RDnews

Alunos dos Cejas em MT temem que unidades sejam fechadas pela Seduc

Alunos dos Centros de Educação de Jovens e Adultos de Mato Grosso (Ceja) estão preocupados com o plano de reordenamento da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Eles temem o fechamento dessas escolas, que se tornaram símbolo de inclusão. Os centros, 21 no total, trabalham com jovens, adultos, idosos, pessoas com necessidades especiais e imigrantes.  No Facebook, os estudantes estão gravando depoimentos em apelo pela manutenção das unidades.

A Seduc nega o fechamento de todas as unidades e diz que apenas algumas passarão por realocamento de estrutura, alunos e pessoal.

Em entrevista ao , o secretário Alan Porto, titular da pasta da educação no Governo, confirmou que pretende desativar algumas unidades do Ceja, mas sem divulgar quais. “Estive em Sorriso, só para citar um exemplo, e encontrei uma unidade onde havia poucos alunos nas salas e o que vamos fazer e remanejar esses alunos para que o prédio possa comportar outras turmas”, explica. Ele garante que não haverá redução de vagas.

Na manhã desta quarta (25), durante sabatina na Assembleia Legislativa (ALMT), Alan também trouxe que a Seduc pensa em "uma nova estrutura escolar para a atender a população de jovens e adultos". Os estudantes dessas unidades serão transferidos para escola mais próxima. Na sede dos centros funcionará a Escola de Desenvolvimento Integral da Educação Básica (EDIEB).

O imbróglio com o reordenamento da Seduc vem após a determinação de fechamento das Escolas Estaduais Mercedes de Paula Sôda, Miguel Baracat e Hernandy Baracat de Arruda, além do Ceja Lícinio Monteiro da Silva, todas em Várzea Grande. 

O plano de reorganização vem desde a gestão da ex-secretária Marioneide Kliemaschewsk, que fechou duas escolas sob o argumento de que estavam sem alunos (demanda) para atendê-los. Uma dessas unidades foi Escola Estadual Nilo Póvoas, com 50 anos de funcionamento e fechada sob forte protesto dos alunos, professores e técnicos. Na ocasião, outras cinco foram "municipalizadas".

Vida transformada

A estudante Patricia Fontes começou a estudar no Ceja Almira Amorim Silva, na região do CPA, em Cuiabá, após um período trágico na sua vida – o sepultamento de sua filha. Ela disse que recebeu todo o suporte da equipe pedagógica e administrativa e diz que a escola mudou a sua vida. “Não fechem a nossa escola. Não destruam nossos sonhos, porque essa escolha mudou a minha vida”.

Também estudante no Ceja Almira, o deficiente visual Jeferson Lucas também destaca que a escola transformou sua vida. “Foi através do Ceja que voltei a sonhar e a realizar meus sonhos. Foi através do estudo que mudou minha vida”, declara. Ele, que ficou seis anos sem estudar, voltou a estudar em 2018, prestou o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) em 2019 e passou para fisioterapia.

“Eu peço encarecidamente que não feche a escola”, pede o estudante em em seguida questiona, “para quê cortar uma árvore que está dando fruto?”.

Outro depoimento é do imigrante Danilson Cabral Monteiro, natural de Cabo Verde, costa da África, país que também fala português. Desde 2014, ele é estudante no centro Cleonice Miranda da Silva, em Colíder. Ele diz a escola é como uma casa para ele. “Ceja para mim é minha casa, é minha vida. Não tem lugar melhor para gente estar do que aqui”, afirma.

Os Cejas têm como público jovens, adultos e idosos que abandonaram os estudos. Trabalha desde a alfabetização até a finalização do ensino médio, sendo um importante passo para aqueles que ainda sonham com um diploma universitário. É um espaço que também atende imigrantes e pessoas com necessidades especiais. Os estudantes referem a estas unidades com carinho, chamando não de escolas, mas de casas, já que se sentem muito acolhidos.

No escuro

Segundo a professora Samya Karla Lopes de Oliveira, do Ceja Almira, os centros ainda não sabem nada de concreto sobre o plano da Seduc para os centros de educação de jovens e adultos. "Oficialmente não tem nada ainda. O que estamos sabendo é o que está sendo divulgado no site [da secretaria]", diz ao .

Samya explica que o diferencial do CEJA é que, ao contrário do que se pensa, muitos estudantes jovens e adultos preferem estudar de manhã ou tarde. Eles trabalham nos demais turnos e buscam a escola, quando o sol ainda está a pino, para buscarem a formação escolar. 

O mesmo ocorre para os alunos com necessidades especiais. Este é um público que frequenta as aulas do período matutino, já que os outros turnos são dedicados a medicação e acompanhamento médico. Caso contrário, eles podem ficar desassistidos de educação.

A Seduc ficou de apresentar o plano de reordenamento para os gestores dos 21 Cejas em Mato Grosso na tarde da quarta (25) passada, mas a reportagem do  apurou que a reunião foi remarcada para quarta desta semana, no dia 2 de dezembro. Antes do encontro, haverá uma audiência pública. A pasta também ficou de ouvir a comunidade escolar.


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo