Educação

01/08/2016 07:34

Greve chega a 60 dias e estudantes se preocupam com preparação para o Enem

Sem aulas há 60 dias, pais e estudantes estão preocupados com as consequências que a greve dos professores da rede pública de ensino de Mato Grosso pode trazer a médio e  longo prazo. As incertezas vão desde a reposição das aulas perdidas até a preparação para enfrentar, ainda neste ano, a seleção do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), além de vestibulares para cursos técnicos.

Conforme dados no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (Inep), 180.761 mil alunos de escolas públicas do Estado se inscreveram para realizar a prova do Enem de 2016 nos dias 5 e 6 de novembro. Destes, 52.904 mil são de Cuiabá.“Não sinto que eu poderia concorrer de igual para igual com alguém que não passou pela greve quando for fazer algum seletivo, como é o Enem para o qual estou me preparando”, disse o estudante, Tariki Matheus Silva Marques, 16.

Tariki conta que este ano precisou mudar toda a rotina para que consiga se sair bem na prova nacional. Para isso tem feito curso pré-vestibular à noite e estava estudando de manhã, para reforçar o aprendizado, porém, com a greve, acredita que apenas as aulas noturnas não serão suficientes. “Eu estou fazendo o cursinho, mas tem amigos que não têm condições e estão buscando alternativas para estudar. Alguns estão estudando sozinhos outros participam de grupos de estudo”, conta.

Além dos prejuízos quando a cumprimento do conteúdo previsto para o ano, o jovem cita também os prejuízos a programação de férias e fins de semana. “Estava planejada uma viagem com a família, mas agora vamos ter que reprogramar. Além disso há muitas atividades que minha religião realiza aos sábados que também não vou poder participar”, lamenta o jovem.

Mas não são só os alunos que vão fazer o Enem que estão perdendo o sono por conta da falta de aulas. Estudantes do ensino fundamental também temem os prejuízos quando a reposição de aulas, pois acreditam que o conteúdo pode ser compactado e ter prejuízos quanto ao repasse das matérias. “Os alunos e os pais terão que se reprogramar para as férias e para as folgas também. Além disso acho muito injusta a concorrência entre alunos que passaram por greve e os que tiveram aula normal  na hora de tentar algum processo seletivo”, disse Jocicleide Maria Arruda, que tem duas filhas matriculadas em escola estadual, uma delas no sexto e outra no nono ano. “Minha filha já tinha falado com os professores para que a ajudassem porque quer fazer o seletivo para entrar no IFMT, mas agora todos os planos mudaram”, ressalta.

A greve do professores caminha para a superar a maior greve da história do Estado, que ocorreu em 2013 e contou com 67 dias fora das salas de aula. Na época os profissionais brigavam pela revisão salarial estabelecida na Lei nº 510/2013.

Este ano, o movimento paredista tem uma pauta de reinvindicações com mais itens que contemplam a suspensão do projeto de implementação de Parceria. Público-Privadas (PPP) para construção e manutenção de escolas, bem como o cumprimento da Lei nº 510/2013, referente a recomposição do poder de compra da remuneração dos servidores e a realização de concursos em todas as áreas da educação.

As solicitações foram parcialmente atendidas, entretanto a categoria deve definir nesta segunda-feira (1) os próximos passos do movimento. Conforme o presidente do Sindicato dos Profissionais da Educação Pública (Sintep), o foco agora é na greve e na busca de alternativas para que as reivindicações da classe sejam atendidas. Somente depois que os profissionais retornarem para as salas de aula é que será pensando nas alternativas de reposição e aulas.

“O ano civil não tem vínculo com o ano letivo. O ano civil tem 365 dias e o ano letivo tem 200 dais, totalizando 800 horas. A função da escola não é educar para o Enem, é educar para a vida. O Enem é apenas uma prova”, afirmou o sindicalista.

Nesta sexta-feira (29) o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que os professores retornassem para as salas de aula ainda na segunda-feira (1), porém o presidente do Sintep relatou que o movimento paredista nunca se pautou por decisões judiciais e que vai buscar recursos.

Por: JESSICA BACHEGA/ HiperNoticias


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo