Economia

IBGE 07/10/2019 07:45

Mais de 58% da renda dos mato-grossenses é para morar e comer, diz IBGE

Famílias que recebem até dois salários mínimos (R$ 1.908) gastam mais da metade da renda com habitação e alimentação. Em Mato Grosso, os gastos com esses itens essenciais consomem 58,1% dos rendimentos mensais. Entre aquelas que têm maior poder aquisitivo (acima de 25 salários mínimos) essas despesas são menores e representam 26,7% da renda mensal. Os dados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e se referem ao ano de 2018.

O estudo aponta que as famílias de menor renda destinam até 91,4% dos ganhos para despesas de consumo, enquanto as famílias mais ricas, com renda acima de 25 salários mínimos, destinam 61,9% dos rendimentos para as mesmas despesas, sobrando mais dinheiro para outros gastos e investimentos. “Quem é assalariado e não tem casa própria, trabalha só para comer, pagar aluguel, energia e água. A conta de luz já está vindo muito caro. Dá para se manter, dividindo as despesas, mas não muito bem”, confidencia a auxiliar de serviços gerais Solange Conceição da Silva, 45, que tem renda mensal familiar média de 3 salários mínimos. Só as despesas com alimentação abocanham cerca de um terço da renda familiar.

Já o servidor público Weslei Oliveira, 45, divide as despesas com a família que soma 4 pessoas com renda total de 16 salários mínimos. No caso deles, o gasto maior é com saúde, em convênios médicos e remédios. Essas despesas levam cerca de 30% da renda por mês. O servidor público reconhece que a família vive melhor que a maior parte da população brasileira. “Com o que eu recebo dá para viver, vivo bem e ainda cuido dos meus pais, mas também não sobra nada no fim do mês”, confessa.

De acordo com a pesquisa do IBGE, as famílias que têm renda de até dois salários consomem 18,1% da renda com alimentação; 40% com habitação (que inclui aluguel, condomínio, energia, entre outros); 11,1% com transporte; 6,8% com assistência à saúde; e 1,1% com educação. Já as de maior renda (acima de 25 salários) gastam 8,6% com alimentação; 18,1% com habitação; 16,9% com transporte; 6,4% com saúde e 3,3% com educação.

No país, a situação não é muito diferente. Somados, alimentação e habitação representam 61,2% das despesas das famílias com menores rendimentos. Entre aquelas mais abastadas, a participação dessas despesas na renda é de 30,2%. Para o economista Jonil Vital de Souza, as diferenças no consumo também demonstram como os mais pobres, proporcionalmente, pagam mais impostos. “A tributação no Brasil é no modelo regressivo.

Paradoxalmente paga mais impostos quem ganha menos, porque os nossos impostos são cobrados, principalmente, sobre o consumo de produtos e não sobre a renda. Tudo que se compra tem imposto embutido, embora não vejamos”. Segundo ele, o peso da carga tributária reduz o poder de compra das famílias mais pobres.

Redação Só Notícias (foto: assessoria/arquivo )


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo