Economia

29/08/2019 15:52 Estadão Conteúdo

Competitividade: Governo acaba com subsídio ao gás de cozinha

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) revogou nesta quinta-feira, 29, a resolução que estabelecia o subsídios do governo para o gás liquefeito de petróleo (GLP), conhecido como gás de cozinha. Segundo o ministério de Minas e Energia, a nova regra deve permitir maior competitividade no setor, que é dominado pela Petrobras, ao incentivar a entrada de outros agentes no mercado. Analista aprova decisão e vê criação de mercado mais justo e atraente para investimento. A medida entrará em vigor em março de 2020.

A resolução revogada era do ano de 2005 e estabelecia que o gás residencial —botijão de até 13 kg — teria preços menores do que o a granel, utilizado pela indústria. A ideia era que a medida auxiliasse as famílias de baixa renda. De acordo com o ministério de Minas e Energia, o fim dessa prática “corrige distorções no mercado e incentiva a entrada de outros agentes nas etapas de produção e importação de GLP, ambas concentradas no agente de posição dominante”, informa, em nota. O comunicado também diz que “a mudança contribui com o aumento da oferta de LP e o desenvolvimento do mercado”.

 

Para Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), a decisão do governo foi acertada. “A medida deixa de alterar as margens das refinadoras e das distribuidoras, criando um mercado justo e mais atraente para o investimento privado.”

O subsídio, de acordo com o especialista, dava um preço diferenciado para toda a população, e não apenas para a de baixa renda. “90% da população cozinha com botijão. Então, o subsídio ia para o rico e para o pobre. O preço do gás de botijão é alto e pode subir, mas isso deve ser atacado por uma política social e não pela política energética, pois distorce o mercado.” 

 

O CNPE determinou que a decisão tenha efeito a partir de 1º de março de 2020. Segundo o conselho, o objetivo é oferecer segurança jurídica e previsibilidade ao mercado para que os agentes possam se preparar e realizar investimentos de infraestrutura.

Atualmente, o fornecimento de GLP é dominado pela Petrobras, que produz e importa 99% do insumo consumido no País, e o revende para as distribuidoras, segmento também concentrado, em quatro empresas: Liquigás (que pertence à Petrobras), Copagaz, Ultragaz e Supergasbrás.

O fim da diferenciação de preços já foi proposto há dois anos. Em 2017, um comitê interno do governo corroborou análise do Tribunal de Contas da União (TCU), para quem o desconto no preço do botijão, conferido no começo da cadeia produtiva, acaba sendo apropriado pelas empresas (produtor/importador e distribuidora) antes de chegar ao consumidor.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo