Economia

22/07/2016 14:07

REAJUSTE NA CNH: Alta reflete na procura e preocupa autoescolas

O reajuste nos valores das tarifas para os exames médico e psicotécnico, que passam a valer em 1º de agosto, tem gerado apreensão entre os proprietários de autoescolas. Apesar ds mudanças refletirem no aumento de R$ 11,37 no valor total da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), o segmento alerta para os prejuízos causados pela recessão econômica, que já reduziu em aproximadamente 50% a demanda por novas habilitações em Mato Grosso, conforme estima o próprio setor.

A partir de agosto, o exame médico que custa R$ 79,20 passará para R$ 83,97, aumento de 6%. Já o exame psicológico sofrerá alta de 5,4%, passando de R$ 121,40 para R$ 128. Os reajustes seguem orientação da Lei Estadual 9.197/2009, que prevê o aumento anual dos valores em consonância aos reajustes anuais dos valores balizados pelos Conselhos Estaduais de Medicina e Psicologia. O presidente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Fernando Lopes, explica que o valor estipulado é o que o credenciado (médico ou psicólogo) cobra pelo atendimento.

Mesmo que os valores do reajuste sejam relativamente baixos causam preocupação aos empresários de autoescolas, como é o caso da empresária Keila Rodrigues Alves, proprietária da Autoescola Imperial, em Várzea Grande. “Por estarmos em meio a uma crise, qualquer real economizado faz diferença para muita gente. A alteração nas taxas passa a ser onerosa para alguns alunos, que muitas vezes fazem a habilitação com muito esforço, pagando em parcelas”.

Outra preocupação de Keila é se os Centros de Formação de Condutores (CFCs) aproveitam o momento de ajuste para também aumentar o valor para a retirada de habilitação. “Temos que pensar que estamos com uma retração de aproximadamente 50% na demanda por habilitação no Estado, se calcularmos desde o começo de 2015 até agora”.

O empresário Djalma Nogueira de Souza, proprietário da Autoescola Delta, em Cuiabá, avalia de forma negativa o reajuste da tarifa em momento de retração econômica. “Alguns ajustes já eram para ter sido aplicados em 2015, mas acabaram sendo postergados para este ano. Neste caso, o impacto no preço final aos novos alunos será tão somente do valor da tarifa”.

Souza também reclama da retração da demanda por novas CNHs que em 2015 chegou a 20% ante o ano anterior. Para 2016, as autoescolas estimam queda aproximada em 35%. “E um dos problemas que contribui para isso é a paralisação dos servidores do Detran, já que dependemos deles”.

Fonte: Gazeta Digital


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo