Destaques

26/12/2020 07:24 Diario de Cuiabá

Ano de 2020 deixa saldo positivo para a carne bovina em MT

Estado é protagonista no setor, garantindo e ampliando o produto dentro das exigências internacionais

O ano de 2020 entrará para a história como aquele em que o mercado brasileiro da carne bovina encarou uma das mais desafiadoras crises de consumo e, apesar de tudo, saiu fortalecido.

A análise vale principalmente para o Estado de Mato Grosso, que se manteve como protagonista no setor, garantindo e ampliando volumes do produto dentro das exigências internacionais, sem desabastecer o mercado interno e dando novos passos no caminho da produção sustentável.    

A avaliação é do presidente do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), Caio Penido.

“Todos os elos do mercado da carne se reinventaram neste ano. Após o susto inicial causado pela redução no consumo de carne nos food services, pecuaristas, frigoríficos e varejistas se adequaram às novas exigências impostas pelo isolamento social. O ajuste foi rápido: as exportações aumentaram em relação a 2019, puxadas pela rápida recuperação do consumo asiático e a arroba se valorizou. Ampliamos o rendimento médio da carcaça e confirmamos a tendência de uma produção cada vez mais sustentável”, observa Penido.      

Dados compilados pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) indicam que, de janeiro a novembro de 2020, Mato Grosso exportou 452,66 milhões de toneladas de equivalente carcaça (TEC), ampliando em cerca de 6% o desempenho de 2019.      

O motor desse crescimento foi o mercado formado por China e Hong Kong, que de janeiro a novembro de 2020 respondeu por 56% da carne bovina exportada pelo estado.

“Atendemos em quantidade e qualidade a demanda chinesa, aumentando em 60,4% o volume do ano passado, e em 67,8% a receita com as exportações”, comenta o diretor de Operações do Imac, Bruno de Jesus Andrade.      

No decorrer de 2020, a participação do estado no total de carne bovina exportada pelo Brasil chegou a 22%, ficando, na média, em 21%.

Além de evoluir no comércio exterior, Mato Grosso liderou a produção de carne em 2020, com um volume de 644,78 mil toneladas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).        

O quantitativo de animais também se ampliou em 2020. Em maio, já eram 30,98 milhões de cabeças, num crescimento de 1,46% em relação a 2019. Mato Grosso segue, assim, líder no ranking nacional de rebanho bovino.

“Todo esse dinamismo da cadeia produtiva ocorre em cumprimento ao Código Florestal Brasileiro, garantindo por lei a manutenção da biodiversidade de Mato Grosso. Afinal temos mais de 60% do nosso território preservado com vegetação nativa”, salienta o presidente do Imac.      

Penido se posicionou neste ano como uma das principais vozes brasileiras a exigir o reconhecimento nacional e internacional sobre a sustentabilidade da produção de proteínas em curso em Mato Grosso e no Brasil.

“Em vez de ser difamado no exterior como desmatador, deveríamos figurar como exemplo de produção de alimentos aliada à proteção da natureza e à baixa emissão de gases de efeito estufa”, costuma afirmar.          

A sustentabilidade da produção pecuária de Mato Grosso é visível, seja pela redução da idade de abate dos animais, pelas técnicas de produção mais intensivas ou pelo maior aproveitamento das áreas de pastagens no Estado.

“Todo o mercado da carne mato-grossense está focado em intensificar a produção nesse modelo produtivo de baixa emissão de carbono, que garante um produto final de qualidade e com segurança sanitária”, complementa Andrade.        

Até novembro de 2020, a terminação de animais com até 24 meses de idade cresceu 26,3% entre 2019 e 2020, segundo dados do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea).

Além disso, a média estadual do peso da carcaça foi de 18,3 arrobas em junho de 2020, superando o patamar nacional de 17,3 @/ carcaça.    

“Quando projetamos o futuro da atividade, a perspectiva é de aumento na eficiência com ganhos ambientais, pois estamos conseguindo produzir mais carne em menos tempo e com menor impacto ambiental a cada quilo de carcaça produzida”, ressalta o presidente do Imac.      

Criado em 2016, o instituto tem a missão de promover a carne bovina de Mato Grosso, valorizando toda a cadeia produtiva a partir de ações de pesquisa e desenvolvimento, informação e marketing.

Em seu conselho deliberativo, estão representantes do Governo do Estado, do setor pecuário e de indústrias frigoríficas.


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo