Destaques

02/12/2019 06:03 osé Pereira, TV Centro América

Confinamento aumenta em 11% devido à demanda externa e alta no preço da carne em MT

O número de animais confinados aumentou em cerca de 11% neste ano se comparado a 2018, segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Conforme o último levantamento divulgado pelo instituto, foram confinadas cerca de 824 mil cabeças de gado.

Segundo especialista, os criadores ficaram estimulados, principalmente, a partir do segundo semestre, quando a demanda foi maior e o preço pago pela arroba do boi também aumentou.

Em uma fazenda de Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, o número de animais confinados aumentou em 5% neste ano, segundo o gerente técnico Leone Furlanetto .

Leone disse que até setembro a arroba do boi custava em média R$ 140, mas o preço disparou nos meses seguintes e agora pode chegar a custar R$ 210.

“Nem nas estimativas mais otimistas se falava em um patamar de uma arroba a R$ 210. Em outubro começou a ter um reajuste, mas em novembro teve uma alta muito forte e rápida”, disse.

Para o gerente o fator principal que influenciou nesse aumento foi a abertura para o mercado asiático.

Somente para a China, em outubro deste ano, Mato Grosso registrou um aumento de mais de 340% na exportação de carne bovina se comparado ao mesmo mês do ano passado.

Apesar disso, Leone afirmou que a maior demanda continua senda a internada. Cerca de 80% da carne produzida na fazenda dele é para o mercado interno.

Além de aumentar o número de cabeças, a fazenda de Leone fez uma estratégia para segurar algumas cabeças de boi para que no período de escassez eles façam a entressafra da pecuária.

Outra fazenda que teve que registrou um aumento no confinamento fica em Diamantino, a 229 km de Cuiabá. Além de confinar os próprios animais, a fazenda aumentou as parcerias com outros pecuaristas que usam a estrutura de piquetes para fazer a engorda dos bois.

Uma das modalidades usadas pelos fazendeiros se chama 'boitel', onde são cobradas diárias de acordo com o sexo e o peso de entrada dos animais no confinamento. Dessa forma, o pecuarista tem um lucro com base no peso do gado.

“No Brasil, 13% dos bois abatidos provém do confinamento e a tendência é aumentar, pois esse é um sistema mais inteligente e mais produtivo que favorece todos os elos da cadeia. É um processo natural que favorece a qualidade da carne para o consumidor”, explicou o pecuarista Francisco Camacho.

Em 2020, o confinamento na fazenda deve aumentar. A expectativa é engordar e abater cerca de 100 mil cabeças no ano para tentar atender a demanda externa da carne bovina.

Com a valorização no mercado, Francisco conseguiu vender um lote recente por R$ 210 a arroba do boi.

“Tivemos um choque de demanda com a entrada forte da China que tem um potencial grande para mexer com o mercado”, ressaltou.

Geralmente, o confinamento é feito no período da seca, mas na fazenda do Francisco o processo continua durante todo o ano.

“Temos uma estratégia de confinar o ano inteiro. Tem uma série de desafios que acontece para que isso aconteça no período das águas e a gente acabou agregando essa estratégia a uma condição comercial, que hoje tiramos valor disso”, disse.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo