Cidade

14/01/2021 20:02

MT - Entidades defendem volta às aulas na modalidade virtual

O início das aulas em Mato Grosso, marcado para o dia 08 de fevereiro, deverá acontecer apenas de forma virtual, em razão do avanço da Covid-19. Este é o entendimento dos representantes do Ministério Público Estadual, Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso, Fórum Estadual de Educação, Associação Mato-grossense dos Municípios, Assembleia Legislativa, entidades estudantis, conselhos de educação, entre outros, que estiveram reunidos na manhã desta quinta-feira (14) com os secretários de Estado de Educação e de Saúde para debater o modelo que será adotado no retorno às aulas. Amanhã (15) os dois secretários se reunirão com o governador do Estado, Mauro Mendes, de onde sairá uma decisão oficial sobre o assunto.

O promotor de Justiça Miguel Slhessarenko Júnior, do Núcleo de Defesa da Cidadania de Cuiabá e coordenador do Centro de Apoio Operacional (CAO) da Educação do Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), que participou da reunião, elogiou a iniciativa do Estado em abrir a discussão a respeito do tema para que todos os atores envolvidos pudessem opinar e colocar seus posicionamentos.

Para ele, neste momento, a decisão de retornar as aulas presencialmente, ou pelo sistema híbrido (presencial e virtual) é da Secretaria de Estado de Saúde e do Comitê Estadual de Combate do Coronavírus. “Nesta primeira reunião para tratar sobre o retorno do ano letivo, em 2021, diante do quadro que estamos passando, o que vemos é a impossibilidade de aulas presenciais no mês de fevereiro, até mesmo porque Carnaval está logo aí, onde, infelizmente, poderão acontecer novas aglomerações, assim como aconteceu no final do ano”, ressaltou.

Durante a reunião, o promotor frisou que o Ministério Público acompanha de perto, desde o início da pandemia, a questão da educação no Estado e continuará cumprindo o seu papel. “Da parte do Ministério Público nós vamos fiscalizar esse retorno online (e posteriormente o presencial) e acompanhar as decisões dos comitês de saúde nos municípios e no Estado, pois entendemos que a taxa de transmissão, de ocupação de leitos é que vai ser o primeiro determinante nessa avaliação para o possível retorno presencial”.

Ele sugeriu ainda que, a partir de março, caso ocorra redução dos casos de Covid-19, ou estabilidade, que uma nova reunião, nos mesmos moldes, seja realizada para que a situação possa ser discutida novamente. “Vamos continuar trabalhando na fiscalização do cumprimento dos protocolos de biossegurança e nos investimentos que devem ser feitos por parte do poder público para que todos os alunos, sem distinção, possam ter acesso ao ensino virtual”.

O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, destacou a importância de ser tomada uma decisão colegiada neste momento de pandemia. Apesar de os prefeitos terem autonomia para decidir se retomam ou não as aulas presenciais, o secretário frisou que o alto índice de crescimento de casos e internações hospitalares em enfermarias ou nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), já é o suficiente para que, o retorno as aulas presenciais, não aconteça no dia 08 de fevereiro.

Diante dos números o secretário prevê colapso na rede de saúde de Mato Grosso e avisa que faltarão leitos de UTI em duas semanas. “Nessa tendência de aumento de 3% ao dia, em 15 dias, nós não teremos UTI disponível. Só isso já assegura que não há possibilidade de retorno presencial das aulas neste momento”.

Como o cenário é de permanência as aulas remotas, o secretário de Estado de Educação, Alan Porto, garantiu que o governo do Estado já preparou uma série de medidas para que as aconteçam na modalidade virtual.

É importante analisarmos o que aconteceu em 2020 para aprendermos com aquilo que não deu certo e assim fortalecer o ano de 2021. Posso garantir que nenhuma turma vai ter falta de professor este ano. Estamos investindo em infraestrutura tecnológica. No Programa Mais MT, que o governador já anunciou, vamos investir dentro das unidades escolares, principalmente na infraestrutura de rede e link de alta velocidade. Hoje 515 escolas têm condições de receber esse link em Mato Grosso. O governo do Estado vai adquirir também 12 mil notebooks, ou seja, vamos ter condições de ter aula online”, assegurou.

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, pontuou que este não é o momento de retorno presencial das aulas. “Vai ter mais gente ainda aglomerada. Esses alunos podem se contaminar e levar o vírus para dentro de suas casas, para os pais e avós. Já imaginou essa situação na zona rural? Vamos dizimar os pequenos produtores. Têm prefeitos que ainda estão procurando o caminho de como lidar com essa pandemia. Não dá para retornar as atividades escolares nesse cenário.

A deputada federal Rosa Neide de Almeida destacou que depois dos milhares de mortes, a maior mazela que a Covid-19 deixará no Brasil é a educação. “Um ano fora da escola, principalmente na rede pública, nas camadas mais pobres da sociedade, significa uma década perdida. Os estudantes recuam uma década, quebram o círculo, perdem o vínculo. Estamos lutando para que os profissionais da educação sejam priorizados quando a vacina começar a ser feita no país. Isso é fundamental para que possamos retornar as atividades escolares”.

O promotor de Justiça Miguel Slhessarenko Júnior, reforçou a importância dos profissionais da rede de ensino serem considerados grupos prioritários para a vacinação contra Covid-19, quando a mesma estiver disponível. “Isso vai gerar uma segurança para toda a sociedade e para todos os alunos quando tiver o retorno às atividades presenciais”, concluiu.


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo