Cidade

05/08/2020 12:12 Assessoria de Comunicação - prt23

Justiça condena Estado de Mato Grosso a garantir medidas de saúde e segurança de funcionários do Hospital Regional de Sinop

O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) obteve a condenação do Estado de Mato Grosso em ação civil pública movida para garantir o cumprimento de uma série de obrigações trabalhistas, entre elas a de fornecer aos trabalhadores do Hospital Regional de Sinop, gratuitamente, os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento.
 
O juiz do Trabalho William Guilherme Correia Ribeiro, da 1º Vara do Trabalho de Sinop, levou em consideração, ao publicar a decisão, as provas obtidas em inspeções realizadas pelo próprio MPT.
 
O magistrado também condenou o Estado de Mato Grosso a pagar uma indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 500 mil. O valor será revertido, na fase de execução, a um fundo público ou a projetos compatíveis com os interesses coletivos objetos da ação.
 
Após o trânsito em julgado da decisão, ou seja, quando forem analisados todos os recursos cabíveis, o Estado de Mato Grosso, em caso de descumprimento das obrigações estabelecidas, poderá pagar multa diária de R$ 2 mil.
 
Uma das medidas a serem adotadas em relação ao hospital é a de apresentar e manter atualizado o Alvará de Prevenção contra Incêndio e Pânico. Durante o processo, a Fundação de Saúde Comunitária de Sinop admitiu não possuir o alvará, apresentando, como defesa, apenas o protocolo do pedido feito ao Corpo de Bombeiros.
 
Outra obrigação imposta pela Justiça do Trabalho é de regularizar o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), com o objetivo de promover e preservar a saúde dos trabalhadores. A administração do hospital deverá zelar pela eficácia do PCMSO e do PPRA, de modo que os programas correspondam à realidade da unidade hospitalar.
 
Além disso, deverá manter articulação entre o PPRA - parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas do empregador no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores - com o disposto nas demais Normas Regulamentadoras (NRs), em especial com o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO).
 
O juiz também determinou que o Estado de Mato Grosso implemente efetivamente o Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes no Hospital Regional de Sinop, bem como comunique à Previdência Social a ocorrência de acidentes de trabalho ocorridos no local até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência e, em caso de morte, de imediato, à autoridade competente, nos termos do art. 22 da Lei nº 8.213/91.
 
O Estado também foi condenado a manter no Hospital Regional de Sinop o Plano de Proteção Radiológica (PPR), da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), para os serviços de radiodiagnóstico aprovado pela Vigilância Sanitária.
 
Histórico
 
De acordo com o MPT, as fiscalizações in loco ocorreram em momentos em que a Fundação Comunitária de Saúde de Sinop era a responsável direta pela gestão do Hospital Regional de Sinop: em 14/05/2013 (pela equipe técnica da COVSAN/SES/MT), em 10/06/2014 (pelo Setor de Pericias do MPT) e em 06/10/2016 (também pelo MPT).
 
O caso começou a ser investigado pelo MPT após recebimento de notícia de irregularidades no meio ambiente de trabalho dos servidores municipais, principalmente daqueles que exerciam suas atividades no Pronto Atendimento Municipal.
 
O antigo Pronto Atendimento foi transformado em Hospital Regional em 2012, e passou a ser administrado pelo Estado de Mato Grosso, o qual, por sua vez, terceirizou o serviço para a Fundação de Saúde Comunitária de Sinop. Em novembro de 2014, durante audiência administrativa, o MPT tomou conhecimento de que o Estado havia decretado intervenção no Hospital Regional de Sinop, por meio do Decreto nº 2.588, de 05/11/2014.
 
Em janeiro de 2016, foi publicada no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso a autorização para que a Fundação de Saúde Comunitária de Sinop retomasse a execução do Contrato de Gestão nº 006/SES/MT/2012.
 
Ao longo desses anos, várias tentativas de celebração de Termo de Ajuste de Conduta (TAC) foram realizadas. Também em diversos momentos a Fundação e o Estado de Mato Grosso informaram ter regularizado os problemas apontados.
 
Por fim, em 2016, considerando as alegações de que o ambiente de trabalho havia sido regularizado, o MPT empreendeu novamente, por meio de seu Setor de Perícias, outra fiscalização no hospital, oportunidade em que verificou a persistência de falhas graves na gestão da saúde e segurança dos empregados. Nesse contexto, o MPT ajuizou a ação civil pública para obrigar os envolvidos a adotarem um meio ambiente de trabalho seguro e saudável.
 
Recurso do MPT
 
Após a decisão, o MPT ajuizou um recurso ordinário pedindo a revisão de vários pontos da sentença. Um deles diz respeito à multa pelo descumprimento das obrigações. Segundo o MPT, a multa deve ser fixada imediatamente, sem qualquer limitação temporal, até que a situação irregular seja sanada.
 
“(...) merece reparo no ponto em que estabeleceu que a multa diária incidisse apenas após o trânsito em julgado. A realidade tem demonstrado que ações judiciais podem se prolongar por muito tempo. Assim, a prevalecer a decisão a quo, estar-se-á autorizando as recorridas a permanecerem descumprindo a lei por longo lapso temporal”, pontua a procuradora do MPT Thalma Rosa de Almeida Furlanetti.
 
O MPT também pede no recurso, apresentado no dia 10 de julho, que a Justiça do Trabalho condene o Estado de Mato Grosso a cumprir a integralidade de outras oito obrigações, entre elas: registrar o fornecimento dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos trabalhadores em livros, fichas ou sistema eletrônico; constituir Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-CIPA e mantê-la em regular funcionamento; e realizar obrigatoriamente os exames médicos (admissional, demissional, periódico, de retorno ao trabalho e de mudança de função).
 
Por fim, requer o reconhecimento da responsabilidade solidária do Estado de Mato Grosso e da Fundação de Saúde Comunitária de Sinop, a fim de condenar também a Fundação de Saúde Comunitária de Sinop a cumprir todas as obrigações trabalhistas e a pagar solidariamente com o Estado de Mato Grosso a indenização pelo dano moral coletivo.

Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo