Cidade

13/03/2019 06:36 Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil São Paulo

Empresário é preso durante operação que investiga fraude no Carf

O empresário Átila Reys Silva foi preso temporariamente durante a Operação Checkout, deflagrada ontem (12) pelo Ministério Público Federal (MPF), Polícia Federal e Receita Federal para apurar irregularidades em processos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Segundo a procuradoria, Silva atuava como lobista, intermediando negociatas para o favorecimento de companhias com pendências em tramitação no órgão vinculado ao atual Ministério da Economia.

Também foram cumpridas 23 ordens de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais. De acordo com o MPF, Silva tinha acesso a informações fiscais sigilosas e oferecia facilidades ilícitas a empresas contra as quais havia cobranças de impostos em atraso e multas. “O investigado integrava uma extensa rede de agentes, que incluía também advogados, servidores públicos e ao menos dois membros do Conselho”.

A ação de hoje foi um desdobramento da Operação Descarte, ocorrida há pouco mais de um ano, que prendeu suspeitos e recolheu provas sobre um esquema de lavagem de dinheiro usando empresas de fachada. A partir dessas evidências, a polícia chegou ao empresário que, segundo as investigações, administrava uma conta em nome de uma empresa fantasma usada para receber dinheiro vindo do esquema.

O caso que levou à Operação Checkout envolve a empresa CVC Turismo, que teve dívidas de R$ 161 milhões abatidas por decisão do Carf em 2014 após o pagamento de R$ 39 milhões em propinas ao grupo.

Durante as buscas, os investigadores localizaram documentos e dispositivos, e também joias, além de cerca de R$ 85 mil em espécie. O MPF aponta que, a partir do material apreendido, as autoridades pretendem identificar todos os destinatários da propina milionária. A procuradoria aponta que o lobista e as duas empresas vinculadas a ele receberam a maior fatia do dinheiro.

  SP vai decretar estado de emergência em bairros atingidos por temporal

Há indícios ainda de que parte da propina foi transferida para empresas de fachada e parte para companhias que faziam a emissão das cifras para o exterior. O grupo é investigado pelas práticas de sonegação tributária, corrupção ativa e passiva e organização criminosa, além de evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

CVC Turismo

O presidente da CVC Turismo, Guilherme Paulus, foi alvo da Operação Descarte no ano passado e, segundo a assessoria de imprensa do empresário, firmou acordo de delação com o Ministério Público e a Polícia Federal, expondo o esquema. “Nessa condição, o empresário prestou os esclarecimentos requeridos pelas autoridades e assumiu compromisso de confidencialidade sobre seu depoimento”, informou em nota.

Paulus foi fundador da CVC Brasil e vendeu o controle acionário da operadora e agência de viagens em 2010, tendo permanecido no conselho administrativo da empresa até 2018. Segundo a assessoria, ele pediu afastamento após a deflagração da operação do ano passado. Aponta ainda que, atualmente, ele não mantém nenhum vínculo com a CVC Brasil.

O Carf informou, por meio de nota, que teve conhecimento das denúncias envolvendo o órgão por meio da imprensa. “Aguardaremos o desdobramento das investigações e estaremos disponíveis para ajudar no que for preciso a fim de que todos os fatos sejam esclarecidos”, diz o texto.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo