Cidade

07/09/2018 06:00 Assessoria

Cooperativa de beneficiamento de castanha garante renda para mulheres e índios

Somente aqueles que vivem em Mato Grosso há pelo menos 15 anos já ouviram falar do Vale dos Esquecidos, uma referência para indicar a região distante e isolada do centro sul do Estado. Por muito tempo, o Vale dos Esquecidos era a região do Vale do Araguaia, uma área imensa margeada pelo rio Araguaia, que começa próximo da cidade de Barra do Garças e vai até o município de Vila Rica, na divisa com o estado do Pará. Há pelo menos uns sete anos, a soja chegou lá e o crescimento econômico surgiu rapidamente. Ali a população indígena é a maior do Estado, com a maior reserva indígena do mundo, o Parque do Xingu.

Mas o Vale dos Esquecidos ainda existe, só mudou de lugar. A região de Juína, com o rio Juruena e vários territórios indígenas, sofre a duras penas para manter a população e suas cidades. As distâncias entre um município e outro é atípica, de 100 km a 450 km, numa imensa área composta por 11 cidades no entorno de Juína. Estradas ruins e alguns trechos de terra. A geografia e a presença de etnias indígenas um pouco isoladas distanciam a região do agronegócio.

Há cerca de 30 anos, Juína era um polo muito visitado por compradores de diamante, mas, por falta de fiscalização do Governo Federal, a riqueza se foi de forma ilegal e pouco deixou para o futuro da cidade. Mas quem chega hoje em Juína encontra uma realidade nem um pouco negativa.

Situada na região da Amazônia mato-grossense, as comunidades mais carentes que vivem nos bairros periféricos de Juína resolveram se juntar aos índios, principalmente os Cinta Larga e Rikbaktsa, que coletam castanha do Brasil na floresta e formaram uma cooperativa composta de 38 mulheres, que recebem a castanha e a preparam para a venda.

O casal Adelurde Custodio Oliveira Machado e Luis Antônio Machado cuida da administração e da venda – e as mulheres se revezam nas máquinas de descascar castanhas. “Estamos muito felizes de ver a cooperativa funcionando. Tem muita coisa para fazer, mas está valendo a pena o sacrifício”, conta Adelurde.

Tudo acontece numa casa no bairro Módulo 6, afastado do centro de Juína. A maioria das 38 mulheres é de donas de casa que vivem no mesmo bairro. Quase todas têm filhos e nem sempre é possível trabalhar o dia todo. Claudinete Araújo de Barros consegue ficar o dia todo e chega a ganhar R$ 1.200 por mês. “Eu gosto do que faço e foi pra mim uma grande oportunidade”, conta.

A Cooperativa de Trabalho Sustentável da Amazônia Legal (COOAMA) foi criada há menos de dois anos e chega a beneficiar de 10 a 15 toneladas por mês de castanha do Brasil, coletadas por cerca de 400 índios que vivem às margens do rio Juruena.

No dia-a-dia, a cooperativa conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Juína, que desde 2012 discutiu com os conselhos de políticas públicas do município ações que pudessem beneficiar as comunidades carentes, mulheres e índios.

Tudo começou quando foi produzido o primeiro Planejamento Estratégico da cidade, orientado pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso e que garantiu espaço para que a comunidade pudesse definir metas que foram inseridas no documento e são implantadas pela Administração Municipal.

O prefeito de Juína, Altir Peruzzo, relata que o apoio a COOAMA é essencial para tirar os índios da miséria e garantir trabalho para as mulheres.

“Hoje o Vale dos Esquecidos é aqui, porque a região não é atrativa para o agronegócio. Por isso, temos que incentivar o que temos na região, que possa garantir renda para as pessoas carentes”, diz.

O Planejamento Estratégico de Juína foi atualizado em 2016 e é monitorado pela Secretaria de Apoio às Unidades Gestoras, do TCE-MT. O município é uma das 24 cidades do Estado que fazem parte do Programa Institucional Integrado (PDI), criado pelo Tribunal em 2012.

A interação entre a sociedade e o Poder Executivo municipal tem sido bem avaliada pela Secretaria de Articulação Institucional e Desenvolvimento da Cidadania do TCE-MT, que monitora as ações da prefeitura municipal em parceria com os 18 conselhos de políticas públicas de Juína.

“Todos entenderam que é importante trabalharem juntos para elevar a eficiência dos gastos públicos e a qualidade dos serviços prestados à comunidade”, afirma Cassyra Vuolo, secretária de Articulação Institucional do Tribunal de Contas.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo