Cidade

30/07/2018 15:54

Mato Grosso discute normas técnicas para uso de resíduos da madeira na geração de combustível

Uma reivindicação antiga do setor de base florestal de Mato Grosso começou a ser encaminhada na tarde desta quinta-feira (26), em Cuiabá, a partir de uma parceria com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), solicitada pela Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt). Foi instalada uma Comissão de Estudo de Combustível Derivado de Resíduos (ABNT/CE-177:003.001) para discutir e estabelecer normas e diretrizes para esse fim. Para dar andamento foi criado um Grupo de Trabalho que estudará e analisará, especificamente, a utilização dos resíduos de madeira. A coordenação do GT ficou será exercida pelo Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira de Mato Grosso (Cipem) e a secretaria pela Associação Mato-grossense dos Engenheiros Florestais (Amef).

A iniciativa foi apresentada como um marco importante para o estado e, consequentemente para o país, pois trata-se da primeira Comissão ABNT fora do eixo Rio-São Paulo. “Mato Grosso pode se considerar pioneiro ao liderar uma Comissão ABNT. Estamos ansiosos para ver o resultado desse trabalho e ficaremos a disposição o tempo todo para auxiliar no que for preciso”, comentou o vice-presidente da entidade, Mario William Esper.

O especialista em política e indústria da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Mário Augusto de Campos Cardoso, reforça que a iniciativa contempla o previsto na política nacional de resíduos sólidos e que, paralelamente, contribui ainda na discussão da política nacional sobre mudanças climáticas, no que diz respeito a aumentar a participação das energias renováveis na matriz e na redução das emissões de gases do efeito estufa. “Apenas a soma de todos esses fatores já é justificativa suficiente para a discussão de uma proposta como essa. Mais ainda, se agregarmos o fato de propiciar uma fonte de renda, de negócio, extra ao produtor e ao industrial da madeira. Acredito que Mato Grosso tem a maturidade dos atores necessários para construir essa proposta e a CNI vai dar todo o apoio”, reforçou.

A Fiemt também empenhou sua atenção na condução dos trabalhos da Comissão. E o presidente, Jandir Milan, tem pressa nos resultados. “Queremos chegar a uma solução viável no prazo mais curto possível, para que o setor se beneficie, principalmente, em momentos de crise como esse que o país enfrenta, onde novas oportunidades são fundamentais”, disse.

Os resíduos madeireiros, principalmente o pó de serra, são fonte de preocupação constante do setor, pois precisam de destinação adequada e, nem sempre, as soluções existentes são viáveis logística e economicamente. “Esperamos construir uma proposta que tenha a garantia técnica necessária para que o setor possa dar a destinação adequada ao resíduo, com benefícios econômicos e ambientais”, apontou o presidente do Cipem, Rafael Mason.

A construção da proposta vai depender de esforços de múltiplos atores, principalmente, dos órgãos gestores e fiscalizadores que precisaram dirimir incongruências entre o que foi estabelecido tecnicamente e o que será necessário para sua aplicação prática. “A ABNT cria uma norma técnica de caráter voluntário e consensual. A aplicação dela depende de uma Norma Regulamentadora, estabelecida pelos órgãos públicos”, revelou o diretor técnico da entidade, Eugenio Guilherme Tolstoy De Simone.

Em Mato Grosso, esse processo deverá envolver, diretamente, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), que durante o evento, esteve representada pelo Superintendente de Gestão Florestal, Luiz Felipe Leal Weissheimer, pela superintendente de Infraestrutura, Mineração e Indústria, Márcia Cleia Villela e pela Coordenadora de Reflorestamento, Tatiana Paula Marques de Arruda. “Nossa preocupação é com as questões legais que envolvem a utilização desse resíduo. Com certeza, para isso, precisaremos discutir as políticas governamentais para tornar isso possível”, avaliaram os representantes da Sema-MT.

O evento contou ainda com a participação de representantes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), Ordem dos Advogados (OAB-MT), Associação dos Reflorestadores do Estado de Mato Grosso (Arefloresta), superintendência de Desenvolvimento Florestal da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec-MT), e Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso, entre outros interessados no tema.

O próximo passo será a reunião do GT para a elaboração dos documentos-base para a construção da proposta, o que deverá ocorrer nos próximos dias, sob a orientação de documentos e diretrizes estabelecidas pela ABNT. 


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo