Cidade

30/07/2018 08:37 TJMT

Violência doméstica: novos índices monitoram as 79 comarcas de MT

A Corregedoria-Geral da Justiça de Mato Grosso (CGJ-MT), por meio da Auditoria de Gestão de Primeira Instância (AGPI), criou dois novos indicadores para monitorar processos relacionados à violência doméstica e feminicídio nas 79 comarcas do Estado. Os números estão sendo monitorados desde maio. A iniciativa foi proposta pela coordenadora estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, desembargadora Maria Erotides Kneip, e atendida pela desembargadora corregedora Maria Aparecida Ribeiro.

A AGPI passou a monitorar 41 indicadores temáticos e operacionais, em tempo real, com auxílio de oito televisões. Os auditores acompanham diariamente os números e cores dos painéis, enviam notificações para as unidades judiciárias e promovem o impulsionamento dos autos quando necessário. Conforme a corregedora-geral da Justiça de Mato Grosso, Maria Aparecida Ribeiro, a medida contribui para o cumprimento das metas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), especialmente a Meta 8 - Fortalecer a rede de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra as mulheres.

Para a coordenadora do Cemulher, Maria Erotides Kneip, as iniciativas do CNJ e da CGJ-MT são louváveis, pois reforçam a importância da temática. “A tramitação desses processos não pode demorar já que afetam diretamente a estrutura familiar. Além disso, como são processos com penas menores, prescrevem rapidamente e, muitas vezes, o Estado deixa de punir aqueles que cometeram crimes contra a mulher”, afirmou a magistrada ao celebrar o atendimento do pleito.

Maria Erotides Kneip sugeriu a criação de um indicador sobre violência doméstica a ser monitorado pela AGPI no início de maio, durante a visita da juíza auxiliar da presidência do CNJ Andremara dos Santos, que considerou excelente a proposta. “Se não tivermos condição de medir, não conseguiremos planejar. A gestão só pode ser feita a partir do que é detectado. Aquilo que não é medido, quantificado, invisibilizado fica”, argumentou a magistrada na época.

Assim, por determinação da corregedora Maria Aparecida Ribeiro, os auditores e a equipe do Departamento de Aprimoramento da Primeira Instância (Dapi) começaram a colocar a ideia em prática na semana seguinte.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo