Cidade

12/05/2018 10:54 Diário de Cuiaba

Deputados decidem na segunda se votam por soltura de Savi

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (DEM) se declarou impedido de conduzir o processo legislativo que trata sobre a revogação ou não da prisão preventiva do deputado estadual Mauro Savi (DEM).  O impedimento, segundo o democrata, se deve ao fato de ele figurar como um dos investigados no inquérito referente a Operação Bereré. Na segunda fase intitulada de Bônus, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) na última quarta-feira (09), o Ministério Público chegou a pedir o seu afastamento da função de presidente por envolvimento no esquema criminoso investigado.

O desembargador José Zuquin Nogueira, entretanto, negou o pedido.  “É certo que ao deputado Mauro Savi será oportunizado o exercício do contraditório e de ampla defesa quando, então, certamente esclarecerá os fatos imputados contra a sua pessoa. Por fim, registro a minha confiança na imparcialidade do Poder Judiciário”, disse Botelho por meio de nota. 


Apesar do posicionamento do presidente, a Assembleia Legislativa deve definir por meio de votação se mantém ou não a prisão preventiva de Savi. A Procuradoria Geral da Casa de Leis emitiu parecer favorável à realização de uma votação em plenário a respeito do tema.  “A Procuradoria-Geral manifesta-se pela viabilidade dos trâmites legais que culminem na realização da sessão Plenária com o objetivo de analisar o cárcere provisório do parlamentar”, diz trecho do parecer. 


O documento é contrario à decisão do desembargador José Zuquim Nogueira, que na decisão que determinou a prisão do parlamentar ponderou que os deputados estaduais não poderiam realizar votação para definir se revoga ou não a prisão de Savi. Isto porque, segundo o magistrado há um entendimento o Supremo Tribunal Federal (STF) de que os parlamentares de Mato Groso não possuem as mesmas prerrogativas de deputados federais e senadores, que só podem ser presos em flagrante por crime inafiançável e com aprovação de suas respectivas casas legislativas. 


Em contrapartida, o procurador-geral da Assembleia, Grehgory Paiva Pires Moreira Maia afirma que não encontrou nenhum impedimento legal para realização desta votação. Segundo o procurador, o STF julga a questão desde o final do ano passado e o o placar está cinco votos contra a concessão e quatro a favor, tendo que o julgamento ser suspenso enquanto outros dois ministros que estavam ausentes não votassem. “Para que haja trânsito em julgado, é necessário que o julgamento tenha sido encerrado, exigindo-se que as conclusões deste julgamento não mais possam se modificadas. Logo, enquanto a questão estiver aberta, as conclusões do julgado podem ser alteradas, e o placar de 5 votos a 4, mencionado na decisão, poderá ser modificado, tornando-se maioria em favor da Assembleia Legislativa” argumentou. 
Savi foi preso na última quarta-feira (09) durante a segunda fase da Operação Bereré. (KA) 


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo