Brasil

14/04/2019 07:40 Jéferson de Castilhos*

Brasil deve investir em gestão eletrônica para subir no ranking contra corrupção

O combate à corrupção ganhou forma e corpo no Brasil ao longo dos últimos anos graças, principalmente, às investigações realizadas por operações como a Lava-Jato. Contudo, esse discurso ainda não passou à prática. Apesar de toda a indignação da população, o país segue em queda livre nos principais estudos e rankings de transparência e boa governança. Isso reforça a tese de que, por mais importante que seja o processo judicial, a mudança só é possível quando a gestão pública se tornar digital e acessível a todos.

O último relatório do Índice de Percepção da Corrupção, realizado pela organização de Transparência Internacional, mostra que o Brasil recuou nove posições e ocupa o 105ª lugar no ranking anticorrupção – quanto melhor a posição, menos o país é considerado corrupto. É o pior desempenho desde 2012 e representa a quinta queda consecutiva. Em 2016, por exemplo, ocupava a 79ª colocação. Estamos atrás de nações bem menos desenvolvidas, como Cuba e Gana e estamos empatados com Costa do Marfim, Egito, Timor Leste, Zâmbia, entre outros.

Atualmente, a maioria dos processos na esfera pública é realizada manualmente e demanda uma quantidade imensa de documentos e papéis. Dessa forma, o trâmite desses arquivos torna-se totalmente burocrático, fazendo com que seu andamento seja muito mais lento do que deveria e, pior, sem a necessária transparência em todos os procedimentos. Por mais que a Lei de Acesso de Informação esteja em vigor, não sabemos em qual departamento está determinada solicitação ou por quais motivos ela está parada. Essa situação favorece a corrupção.

É essencial que o poder público informatize seus processos com a gerência eletrônica de documentos. Dessa forma, toda a tramitação estará disponível no ambiente virtual, de ponta a ponta, e disponível à população e aos próprios servidores. Isso permite, por exemplo, que os órgãos de toda as esferas tenham de forma rápida e fácil o andamento de cada demanda, com registro de quem e quando a documentação foi lida, o responsável, por quanto tempo está em andamento e até mesmo os problemas resolvidos por cada profissional.

Com todo o trâmite documentado, informatizado e disponível ao cidadão, gabinetes e secretarias podem ser avaliadas de acordo com sua eficiência, engajamento e qualidade, rendendo benefícios fundamentais quando se trata de recursos públicos. Convenhamos, é bem mais difícil cometer atos ilícitos quando todo o procedimento é registrado na Internet. A própria investigação ganha novos métodos para averiguar denúncias de corrupção e pessoas com más intenções pensarão bem antes de fazerem qualquer irregularidade.

As demandas por desburocratização e transparência tendem a crescer ainda mais com o avanço da tecnologia. É inadmissível perceber que ainda hoje as repartições públicas evitem a adoção de recursos que aceleram seus processos e, consequentemente, seguem camuflando péssimas práticas de corrupção. Tribunais de Justiça, hospitais, escolas, bancos e até leilões já acontecem no ambienteonline. Passou da hora do poder público fazer o mesmo.

*Jéferson de Castilhos (jeferson@1doc.com.br) é fundador da 1Doc, plataforma web de comunicação, atendimento e gestão documental para órgãos públicos.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo