Brasil

04/07/2018 18:10 G1

Show de Anitta em Itaguaí tem pagamento de cachê suspenso por decisão da Justiça

Uma decisão judicial desta terça-feira (3) proíbe o município de Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio, de realizar pagamentos de despesas da “Expo Itaguaí 2018”. O evento contaria com artistas como Anitta, Alexandre Pires e Luan Santana.

A decisão foi concedida depois que o Ministério Público entrou com uma ação civil pública na última sexta-feira (29) argumentando que, além de festa ter custo alto, a Prefeitura antecipou 50% do cachê dos artistas. Segundo a decisão, as atrações seriam contratadas por um total de R$ 6,2 milhões. Nesse valor também estão incluídos serviços de infraestrutura. Itaguaí enfrenta graves problemas em suas redes de saúde e educação, como mostrou o RJTV nesta semana. Apesar disso, o prefeito da cidade foi filmado assistindo um jogo do Brasil na Copa da Rússia.

A decisão judicial desta terça, assinada pelo juiz Richard Robert Fairclough, da 2ª Vara Cível da de Itaguaí, determina que a administração do município suspenda os gastos com o evento, que aconteceria de hoje até o dia 8 , imediatamente, sob pena de aplicação de multa pessoal da autoridade administrativa no valor de 30% do valor pago.

O juiz também agendou audiência de conciliação/mediação para o dia 31 de julho.

Em inquérito instaurado para apurar denúncia sobre o alto custo do evento, a prefeitura municipal apresentou procedimentos administrativos em que descreve gastos num total de R$ 6,2 milhões para contratar atrações como Anitta, Alexandre Pires e Luan Santana, além de bancar serviços de infraestrutura. 

Calamidade financeira

O MPRJ lembra que a mesma gestão que agora gasta com o festival decretou estado de calamidade financeira, ao assumir a prefeitura no início de 2017, alegando que receitas não realizadas por gestões anteriores haviam deixado um rombo nas contas municipais, em restos a pagar.

Enquanto a prefeitura prevê gastos milionários para a festa, levantamento feito pelo MPRJ encontrou seis ACPs em que Justiça concedeu liminares contra o município, exigindo a adoção de ações imediatas para reparar graves problemas em sua rede de saúde. Segundo o MP, nenhuma das seis foi cumprida, sob a alegação de que não haveria dinheiro disponível em caixa para tais medidas. A cidade enfrenta carências também em serviços públicos nas áreas da educação e segurança.

De acordo com a ação civil pública, a gestão municipal realizou crédito suplementar de R$ 1,8 milhão para a Secretaria Municipal de Eventos, a fim de custear a ‘Expo 2018’.

A situação foi observada pelo juiz na decisão.

“É pública e notória, também com ampla divulgação na mídia, a trágica situação financeira de Itaguaí, com reflexo direto no pagamento dos servidores, nas escolas, e principalmente na rede de saúde municipal. Por tal razão foi decretado estado de calamidade financeira, o que por si só recomenda maior critério nas despesas, priorizando-se necessidades sociais essenciais. Além das questões técnicas, financeira e orçamentárias, deve-se verificar se a opção de despesas foi adequada com a finalidade pública. A discricionariedade não é uma carta em branco nas mãos do administrador. Toda atuação pública deve ter por norte o interesse público, mormente os direitos individuais e sociais básicos”, pontuou Richard Robert Fairclough.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo