Artigos

23/03/2021 12:19

A ferida e a cura dos homens

*Jorge Miklos
A Psicologia Analítica fundada pelo psiquiatra suíço Carl Gustav Jung (1875-1961) procurou desvendar os aspectos mais significativos da natureza e as motivações da masculinidade, tanto consciente quanto inconsciente, e explica como isso afetou e afeta o desenvolvimento da personalidade subjetiva e social, desafiando-nos a reexaminar nossa compreensão contemporânea da masculinidade.
O analista junguiano James Hollis, em seu livro Sob a Sombra de Saturno, trouxe com profundidade uma abordagem acerca da dimensão psicológica e cultural da masculinidade. O título faz menção a Saturno, divindade pagã perversa que devorava seus filhos para impedi-los de usurpar seu poder. O mito demonstra que os homens sofrem da violência, da corrupção pelo poder e são influenciados pelo medo de outros homens.
O livro focaliza feridas masculinas que regem muitos comportamentos, apesar de ocultas e de não reveladas pelos homens, cujo silêncio é imposto pela cultura patriarcal. Saturno está presente de várias maneiras no cotidiano dos homens. Questões relacionadas à corrupção do poder, do medo, humilhação e desvalorização causam feridas profundas.
Hollis assevera que os homens carregam milenarmente oito segredos em seu coração. O primeiro pontua que "A vida dos homens é tão governada por expectativas restritivas com relação ao papel que devem desempenhar quanto a vida das mulheres".
Pode-se fazer um paralelo ao mito de Procusto. Procusto é um personagem da mitologia grega. Os viajantes que iam de Mégara a Atenas eram forçados a se deitar em seu leito de ferro. Se fossem menores, Procusto esticava suas pernas. Se fossem maiores, eram esquartejados para se ajustar ao tamanho do leito. O nome Procusto significa "o esticador", em referência à punição que aplicava às suas vítimas.
O leito de Procusto é a metáfora para a performance exigida aos homens pela cultura machista. Para adaptarem-se ao padrão social, muitos homens precisam amputar aspectos significativos do seu ser ou estender aspectos estranhos para corresponder às expectativas do machismo cultural. A condição procrusteana imputa muito sofrimento aos homens, prisioneiros do patriarcado machista.
O leito de Procusto é a normalidade prescrita pela cultura patriarcal. "Ser 'normal' é alvo ideal do fracassado", escreveu o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung. Performar-se aos estereótipos é, geralmente, processo torturante para o homem cujo padrão arquetípico desvia-se da subjetividade.
Educar os homens para a normalidade do machismo representa para muitos deles um pesadelo, pois a necessidade mais profunda de muitos homens é, na verdade, poder levar uma vida distante dessa normopatia.

Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo