Artigos

22/09/2020 06:19

A importância do compliance na mineração

*Irajá Lacerda

 

A palavra compliance tem origem na língua inglesa e está relacionada à conduta da empresa e sua adequação às normas dos órgãos de regulamentação. Significa dizer que a organização está em conformidade com as legislações e regulamentos aplicados aos processos necessários ao negócio, abrangendo políticas, regras, controles internos e externos.

 

Diante do novo cenário da mineração brasileira, a implantação de políticas de compliance torna-se cada vez mais significativa para o setor, que possui um enorme potencial a ser explorado e, portanto, deve estar preparado para se desenvolver de forma estratégica e sustentável.

 

Esse novo panorama deve-se principalmente às mudanças que estão sendo executadas pela Agência Nacional de Mineração (ANM), que exigem um realinhamento de todo o sistema, ressaltando ainda mais a importância da implementação de protocolos de compliance.

 

Com receita de US$ 34 bilhões em 2018, o setor mineral gera 180 mil empregos diretos, representando 4% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Segundo dados da ANM, no segundo semestre de 2019, a produção do setor representou um crescimento de 20,4% em relação ao mesmo período de 2018.

 

A mineração ainda tem muito a contribuir com a economia brasileira e, por isso, a importância da adaptação para modelos e estruturas atuais de governança corporativa. O conceito de compliance visa justamente assegurar a sobrevivência das empresas, de forma preventiva, gerando valor ao negócio e, consequentemente, ao país.

 

E em se tratando do setor mineral, o compliance ambiental é essencial para que os gestores não sejam surpreendidos com responsabilizações criminais ou civis. Como está diretamente ligado ao desenvolvimento sustentável, implementa termos e regras que devem estar em conformidade com as legislações ambientais.

 

Diante das grandes tragédias decorrentes de atividades minerárias no país, o compliance ambiental vem para auxiliar a adoção de ações na racionalização dos recursos naturais, na implantação de controles preventivos de responsabilização e na relação com agentes e órgãos ambientais.

 

Ou seja, o fato de não estar em compliance significa estar a mercê de riscos que podem levar a grandes perdas, tanto financeiras, quanto patrimoniais e ambientais. Portanto, para desenvolver um bom programa, a empresa deve avaliar todos os riscos e antecipar possíveis irregularidades.

 

Com essas medidas é possível reduzir custos, evitar perdas e aumentar a produtividade. Mas é importante ressaltar que compliance não é apenas uma norma de conduta, pois é dinâmica e está em constante evolução. É uma responsabilidade adicional às empresas de mineração na busca por uma gestão mais eficiente e sustentável.

 

*Irajá Lacerda é advogado, presidiu a Comissão de Direito Agrário da OAB-MT e a Câmara Setorial Temática de Regularização Fundiária da AL-MT. E-mail: irajá.lacerda@irajalacerdaadvogados.com.br

 


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo