Artigos

31/10/2019 09:42

A reascensão da esquerda na América do Sul

Por Hugo Fernandes*

A eleição do novo presidente da Argentina, Alberto Fernández, no último domingo (27) sinaliza a alternância político-ideológica não apenas naquele país. Revela, também, a reascensão da esquerda sul-americana. O fenômeno social vivido pelo Chile nos últimos dias é outra evidência. Há cerca de um mês, Sebastian Pinhera, presidente chileno, vaticinou que o país é uma democracia forte, com uma economia sólida. A previsão se confirmou. Uma semana depois, a terra de Allende parece ter sido revirada pela revolta popular.

Como a vitória da chapa de Cristina Kirchner representa uma mudança de rota nos ventos liberais que sopravam na bacia cisplatina, assim é o movimento popular desencadeado no Chile. Ambos revelam um movimento que se estende ao Uruguai. Aos 84 anos, o ex-presidente socialista, Pepe Mujica, retornou ao Senado Federal, enquanto Daniel Martinez, candidato da esquerda, disputará, no dia 24 de novembro, em segundo turno, a presidência com Luís Lacalle Pou da direita, com uma vantagem de 10% na primeira etapa.

No entanto, o movimento segue cambaleante em países como Equador, onde a esquerda briga entre si. Ou como no caso da disputa pela exploração de petróleo entre os governos socialistas da Guiana e Venezuela. Aliás, o primeiro país chama a atenção pelo resultado da sucessão promovida pelo ex-presidente Rafael Correa, quando lançou seu vice, Lenín Moreno, à presidência. Eleito, o correligionário da Alianza País, rompeu com o ex-aliado. Autoexilado na Bélgica, Correa agora é acusado de orquestrar um golpe.

A escolha errada de novas lideranças políticas também foi um erro estratégico no Brasil. É o caso de Dilma Rousseff, que nem de longe possuía a capacidade de articulação política e a popularidade de seu antecessor, Luís Inácio Lula da Silva. E a ascensão da direita na geopolítica regional deixou claro o equívoco da esquerda – a falta de uma formação consistente dos sucessores. É o caso da Venezuela, onde Nicolás Maduro enfrenta a oposição de Juan Guiadó e o poder da Assembleia Nacional com respostas violentas das ruas.

O mesmo fenômeno vive a Bolívia, com seu eterno líder. A manutenção de Evo Morales na presidência gerou, consequentemente, questionamentos por parte do partido de direita, o CC (Comunidad Ciudadana), liderado por Carlos Mesa. Embora a diferença de votos seja de mais de 10%, a oposição pede a recontagem de votos e não

reconhece a derrota. O governo de Jair Bolsonaro também não concordou com o resultado. Evo venceu as eleições com 47,08% dos votos, contra 36,51% de Mesa. Seguindo essa premissa, a falta de sucessor faz do socialista, Deise Bouterse, presidente do Suriname, um ditador. E vale destacar que caudilhos, de direita ou de esquerda, não combinam com a democracia. A alternância no poder é basilar.

Circulando paralelamente ao processo de oxigenação com ares liberalistas que obteve sucesso nos últimos pleitos da América do Sul, a chama da esquerda parece mais viva do que nunca. É uma relação intrínseca. Os elementos – fogo e ar - combinam. E, pelas bandas do sul parece que o vento é canhoto. Das 12 nações sul-americanas, sete delas são comandadas por políticos alinhados mais à esquerda, enquanto cinco à direita.

Além dos brasileiros, são elas: os paraguaios, com o presidente Mario Abdo Benítez, do partido colorado, cujo pai foi braço direito do ditador Alfredo Stroessner. Também integram o movimento da direita sul-americana os presidentes Sebastian Pinhera, do Chile, Iván Duque, da Colômbia, e Martín Vizcara, no Peru. Vale destacar que este último assumiu a presidência no lugar do economista Pedro Pablo Kuczynski, que sofreu impeachment devido ao seu envolvimento no escândalo de corrupção da Odebrecht, revelado pela Operação Lava Jato. A Guiana Francesa não é considerada um país, por se tratar de território ultramarino. Portanto, não falarei dela.

Para finalizar, é importante considerar que, embora a direita sul-americana tenha se beneficiado das dificuldades enfrentadas pela esquerda, com infindáveis escândalos de corrupção envolvendo seus governos, o caso peruano denota que a falta de ética afeta os mais variados espectros ideológicos. E que o discurso da corrupção serviu de mote no convencimento das massas para a virada de mesa da esquerda para a direita, como quem diz que políticos conservadores são menos corruptos que os progressistas. Acontece que ética é questão de valores, de moral. E isso não se aprende em cartilhas partidárias, mas, sim, dentro de casa. Ética é característica do agir, e não do ser. Assunto para outro artigo.

*Hugo Fernandes é jornalista, especialista em Assessoria de Imprensa, Comunicação Estratégica e Marketing Político.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo