Artigos

20/09/2019 11:44

A justiça tarda, mas não falha!

Edleusa Mesquita
 
Dias atrás, andei me perguntado: até onde alguém pode ir na busca incessante pela ilusória sensação de poder? Até que ponto um ser humano é capaz de se rebaixar, atropelar pessoas, valores éticos e morais, mentir e acusar cidadãos de bem de crimes que não tenham cometido? Será que a fome de ascensão político-sindical é tão voraz a ponto de induzir um homem a práticas tão vis e miseráveis?
 
Pois é, não demorou muito para vir a resposta. Há poucos dias, fui vítima de um sórdido ataque pelas costas; golpeada por um cidadão em que um dia confiei como colega de profissão e defensor dos investigadores da Polícia Judiciária Civil (PJC). Alguém que pensei ser um servidor bem formado, honesto, reto e digno de trabalhar em defesa da sociedade. 
 
Nem mesmo em pesadelo poderia acreditar que o secretário geral do Sindicato dos Investigadores de Polícia de Mato Grosso (SINPOL-MT), Jamilson Adriano de Souza Moura, fosse capaz de me acusar de desviar R$ 1,4 milhão do nosso sindicato para minha conta pessoal. Tampouco, de acusar nosso vice-presidente, Gláucio de Abreu Castañon, de conluio. 
 
História insana, mas registrada na PJC (B.O 2019.118217) no dia 18 de abril deste ano e comunicada como fosse verdade à Corregedoria da Polícia Judiciária Civil pelo próprio acusador que ainda sugeriu às autoridades que eu e meu vice estaríamos tramando sua morte; ato inescrupuloso! 
 
Sou cristã, mulher, mãe de família e policial civil. Lutadora incansável pela segurança pública e pela defesa dos direitos dos nossos servidores. Só posso acreditar que tudo isso seja uma retaliação em decorrência da abertura de Procedimentos Administrativos Disciplinares, pela Comissão de Ética do SINPOL-MT (17/10/2018), em desfavor de Jamilson Moura que o investiga sobre aquisição indevida de materiais de construção adquiridos por ele em nome do SINPOL-MT e desviados para terceiros. Movimentação realizada junto a Comercial Eldorado como consta em Comunicação Interna (22/2018) e no B.O 2019.267059 registrado pela advogada da empresa, Beatriz Francisco Nascimento Martins no dia 6 de setembro deste ano.
 
“Ocorre que há cerca de 7 meses, o senhor Jamilson Moura efetuou uma compra no valor acima de R$ 10 mil (dez mil reais) em nome do SINPOL-MT. Porém, logo após, um motorista do sindicato comentou na loja que acreditava que a compra havia sido destinada para outro local; um centro comunitário do bairro Nova Conquista, onde o Jamilson era presidente da associação desse bairro. Foi então que a empresa teve conhecimento que ele somente utilizou do sindicato para efetuar a compra.”  “A proprietária da loja entrou em contato com a Edleusa para saber se havia sido autorizado e então teve ciência que não havia sido autorizado. Cerca de 20 dias após esse contato, Jamilson foi até a empresa e pediu para emitir Nota Fiscal e boletos em seu nome. Porém, não tem efetuado o pagamento”, informações do B.O 2019.267059.
 
Quatro dias depois deste registro de ocorrência, Jamilson foi à polícia e fez todas estas inescrupulosas acusações, anteriormente citadas, contra mim. Além disso, denunciou ao GAECO (MP) suposto desvio de R$ 40 mil das contas do sindicato, mas sem sucesso. No dia 19 de agosto de 2019, o SINPOL-MT encaminhou ofício ao GAECO, ao GCCO e à Corregedoria da PJC se prontificando a apresentar documentos e prestar esclarecimentos sobre quaisquer dúvidas. A denúncia foi arquivada.
 
Sobre a acusação de desvio de R$ 1,473 milhão da conta do SINPOL-MT para minha conta pessoal e para a conta do conselheiro fiscal, Cledison Gonçalves da Silva, propalada pelo acusador à imprensa mato-grossense, e publicada pelo site Folha Max (Policial acusa sindicalistas de ameaça de morte após cobrar explicações de R$ 1,4 mi), afirmo, sem medo, que se trata  de mais uma farsa e que como tal deverá ser provada pelo acusador. Pois, como diz a lei, “o ônus da prova cabe a quem acusa.”
 
Estou convencida de que toda esta armação promovida pelo acusador também se deve à “devolução” do mesmo aos quadros da PJC, deixando de cumprir função no SINPOL-MT, após o registro de ocorrência das compras feitas por ele em nome do sindicato e sem autorização da diretoria. Além disso, por interesse do mesmo em diminuir as chances de reeleição da atual diretoria no pleito a ser realizado em 2020, em favor de sua candidatura.
Reitero que nunca houve qualquer ameaça feita por mim a quem quer que seja. A própria testemunha que ele tentou usar como delatora da falsa encomenda de assassinado (A.G.S) registrou B.O (2019.255955) na delegacia da PJC (27/08/2019) negando toda a trama.
 
“Narra o comunicante que é auxiliar administrativo do SINPOL-MT e que no dia 26/08/2019, durante a reunião da diretoria executiva com os diretores das subsedes, foi informado de que o senhor Jamilson Moura, que figurava como secretário geral daquele sindicato, registrou B.O dizendo que o comunicante o procurou no dia 9/03/2019 dizendo que havia sido procurado pela senhora Edleusa Mesquista e o senhor Glaucio Castaño. Que eles perguntaram se o comunicante conhecia alguém que poderia matá-lo. O comunicante afirma que nunca foi procurado por Edleusa e, tampouco, pelo Glaucio. Que nunca ouviu eles conversando sobre isso”, informações do B.O 2019.255955.
 
De alma lavada e cara limpa digo em alto e bom som que sou inocente de todas estas acusações. Estou certa de que a justiça se fará e que toda esta farsa cairá por terra. Afinal, “a justiça tarda, mas não falha!”
 
* Edleusa Mesquita é presidente do Sindicato dos Investigadores de Polícia – SINPOL-MT.

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo