Artigos

14/01/2019 18:18

Por que fechar a MTI?

João Figueiredo
 
Em 45 anos de atividade, a Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI) tem sido o instrumento do estado de Mato Grosso para alcançar as melhores soluções nas áreas da tecnologia da informação. Sua missão é contribuir através da inovação tecnológica para a melhoria de vida do cidadão, o que tem sido desacelerado por conta de erros administrativos dos últimos governos de que deixaram a MTI fora de suas metas prioritárias.
 
A empresa atende cerca de 174 clientes nas esferas estadual, municipal e federal e ainda nos três poderes. Com seus servidores cedidos para mais de 21 órgãos, a MTI tem atuação direta nos resultados destes clientes. Só para a Secretaria de Fazenda, por exemplo, gerenciamos diversos sistemas, entre eles: Nota Fiscal Eletrônica, Conhecimento de Transporte Eletrônico, Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Arrecadação, Certidão Negativa de Débito integrada SEFAZ/PGE, Conta Corrente Fiscal, Índice de Participação de Município, IPVA, etc.
 
Atualmente, a MTI mantém cerca de 60 Sistemas Corporativos e Críticos, como por exemplo o MT Cidadão, FIPLAN MT, Obras, Dívida Pública, convênios, DetranNet, Totem-Detran, Vistoria Eletrônica, Talonário Eletrônico, Leilão Detran, o Sistema de Protocolo, Sistema de Aquisições, Sistema de Vigilância Animal, Vegetal e Madeira, além dos sites/portais destes órgãos.
Ainda em sua estrutura tecnológica, são mantidos mais de mil servidores virtuais e físicos, 260 aplicações e 60 km de fibras óticas. Atendemos cerca de 20 mil chamados de serviços e mais de 4 mil chamadas de software por ano.
 
Entregamos muitos resultados. Mesmo assim, o atual governador, recém-empossado, Mauro Mendes, decidiu pelo fechamento da MTI sem ouvir seus funcionários/servidores. Ora, se os resultados não agradam a atual gestão em suas primeiras e rasas análises, já que não teve tempo hábil para acompanhar todo o processo, talvez isso se deva a falta de definição de prioridades de seu antecessor que não priorizou o Sistema de Tecnologia do Estado. Então, antes de fazer críticas, o novo governo precisa avaliar os serviços a fundo para ter certeza da qualidade ou precariedade dos mesmos, isso após priorizar a tecnologia estadual.
 
Em Mato Grosso, há inúmeras leis que tratam da política de Tecnologia da Informação. Contudo, o não funcionamento do Sistema Estadual de Tecnologia, que atribui para a Secretaria de Planejamento (Seplan) a gestão da tecnologia e para a Secretaria de Gestão a aquisição de equipamentos e serviços deixando para a MTI a responsabilidade de operacionalizar os sistemas e a infraestrutura corporativas do Governo, têm trazido prejuízos.
 
Não podemos concordar com a fala precipitada do governador em entrevista para uma rádio da Capital onde, baseado em frios dados obtidos durante a transição de governo, sem a participação da empresa, tomando a decisão de interromper as atividades da MTI apenas cinco dias após sua de sua posse.
 
Sabendo das dificuldades financeiras do estado, implantamos, inclusive, o Plano de Demissão Voluntária (PDV) para diminuição da folha a curto e médio prazo. A MTI foi a primeira a ter esta atitude: fez todo estudo e estruturação e o implantou em Dezembro/18. Já contamos com a adesão de cerca de 80 empregados (20% do quadro). Agora, nosso projeto está sendo replicado para todas as demais empresas, inclusive para administração direta. Mesmo assim, a MTI não é reconhecida pelo atual governo.
 
Mauro Mendes diz que “o estado precisa de modelos de prestação de serviços eficientes e inteligentes”. Com a nova lei das estatais, será a primeira vez que as empresas públicas terão a oportunidade de ter uma atuação como empresa de verdade. Até então, era muito difícil uma empresa pública ter essa agilidade e flexibilidade de executar seus serviços. Inclusive, este modelo favorece a entrada de nova receita para o Governo.
 
Refutamos a atitude do governador e já protocolamos documento junto à Casa Civil mostrando que os trabalhadores da MTI estão à disposição para enfrentar novos desafios agregando valor à nova gestão. Podemos afirmar que Mato Grosso já possui um modelo de prestação de serviços eficiente e inteligente, mas não sabemos a real intenção desta decisão do governador em extinguir nossa empresa repassando nossos serviços a inciativa privada.
 
Podemos contribuir para o melhor funcionamento do estado garantindo segurança de dados e informações através de soluções inovadoras em tecnologia. Portanto, confirmamos a viabilidade da nossa empresa.
 
* João Figueiredo – Presidente Sindicato dos Trabalhadores em Empresas e Órgãos Públicos e Privados de Processamento de Dados, Serviços de Informática Similares e Profissionais de Processamento de Dados do Estado de Mato Grosso (SINDPD).

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo