Artigos

17/08/2017 11:33

Vem aí o estouro do preço da luz

Depois do aumento da gasolina e do óleo diesel, o próximo golpe sobre a população brasileira é o aumento do preço da luz.
E com o maior impacto de aumento previsto na energia consumida pelos agricultores, a chamada “energia rural”.

Como isto se dará?

A privatização do setor elétrico entrou na ordem do dia para a burguesia brasileira e o capital internacional. Está sendo preparado um desmonte completo do setor elétrico nacional.

Usinas Hidrelétricas serão privatizadas. Fala-se em 36 Usinas a serem oferecidas ao chamado “mercado”. Até Itaipu está na lista.
Mas o tal “mercado”, também conhecidos como “investidores internacionais”, hoje não tem interesse em comprar estas usinas pois elas não seriam “rentáveis”.

É que o preço da energia atualmente no Brasil é, em parte, regulado. Isto quer dizer que o preço pago é controlado, vendido num leilão, que garante lucro à empresa, mas não o lucro que ela quiser. Isto é feito para manter o preço barato da energia para o consumidor, para a indústria e para a produção de alimentos. Isto é feito através de um “sistema de cotas” – uma determinada quantia de energia é vendida mais barata – e de subsídios concedidos a alguns setores, em especial, as famílias de baixa renda e a produção rural.

A outra parte é vendida no chamado “mercado livre” e neste, os donos das usinas põe o preço que querem. Em torno de 60% da energia elétrica consumida no Brasil está no mercado regulado.

Quando há escassez de energia, como uma estiagem, por exemplo, muda o tipo de cor na conta da luz, e ela fica mais cara. É que estamos sendo obrigados a comprar mais energia no mercado livre.

A proposta do governo Temer, através do Ministério das Minas e Energia, é de acabar com o “mercado regulado” e colocar toda a energia elétrica no “mercado livre”. Isto está sendo preparado através de uma consulta pública e de uma Medida Provisória que está para ser editada em setembro de 2017.

A partir daí, os donos de usinas produtoras de energia elétrica poderão cobrar o preço que quiserem e o consumidor não terá como chiar nem terá possibilidade de escolher, pois não terá opção de dizer: “não quero mais energia desta empresa, vou procurar outra”. 

Nestas condições de alta lucratividade os “investidores internacionais” dizem ter grande interesse em comprar usinas no Brasil e então será realizada a privatização do Sistema Elétrico Nacional, destruindo a Eletrobrás, com graves consequências para toda a sociedade brasileira, não só no preço da luz, mas na perda de soberania e na perda da segurança energética do país.

Até Itaipu está em jogo. Em 31 de dezembro de 2022 a Usina de Itaipu estará totalmente paga e poderá, a partir de então, gerar energia muito barata. Grande parte da energia nacional é gerada por Itaipu. Poderá gerar energia a custo baixo, vender energia barata para o povo  e ainda criar um fundo de desenvolvimento para educação, saúde, desenvolvimento tecnológico, proteção à infância, etc, etc. Mas se Itaipu for privatizada, vai apenas gerar lucro para algum “investidor internacional”.  

E de onde vem a ideia de que a energia rural vai sofrer impacto ainda maior? 

Simples. Hoje a energia rural é subsidiada, com o objetivo de baratear a produção de alimentos e reduzir o êxodo rural. E a Consulta Pública do Ministério das Minas e Energia diz explicitamente que vai:" …em busca de um ambiente de negócios mais eficiente, com menos subsídios, …" e  "Qualquer incentivo deve ter objetivo claramente definido e duração limitada”. 

Assim, os incentivos e subsídios atuais poderão acabar num tempo a ser definido na Medida Provisória. 

Não é exagero afirmar que o preço da energia doméstica poderá aumentar em mais de 30% e a energia rural em mais de 80% caso este golpe do Governo Temer seja concretizado.  

As Cooperativas de Eletrificação Rural serão duramente penalizadas. Os pequenos agricultores também. Penalizados também os consumidores domésticos, a energia industrial e comercial, que vai, em última instância, aumentar o preço final dos produtos, prejudicando duplamente a população e travando o desenvolvimento do país. 

Perde a Nação, que perderá o controle sobre um Bem Público estratégico para o desenvolvimento nacional. 

Quem ganha? O tal “mercado” e os tais “investidores internacionais”.

Hora de informar, comentar, estudar, organizar-se e reagir.

(*)  Frei Sérgio Antônio Görgen é Frade Franciscano, autor do Livro “Trincheiras da Resistência Camponesa”.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo