Artigos

17/06/2017 05:32

Relacionamentos abusivos são prejudiciais à saúde física e emocional

Dra Laura de Oliveira Gonçalves, psicóloga 

Desde os primórdios o ser humano entendeu a necessidade da vida em sociedade, por isso viver em grupo não é apenas uma escolha, mas se tornou necessidade, não só por recursos básicos de sobrevivência, mas principalmente pela necessidade de alimento para alma. A falta de companhia faz com que o ser humano sofra com a solidão, por não ter com quem compartilhar ideias, dar e receber afeto.

A troca numa relação é primordial, por isso é salutar evidenciar essa necessidade humana por companhia que gerou os relacionamentos amorosos e familiares. Estamos sempre em conjunto e inseridos em grupos, e para manter um relacionamento saudável é necessária algumas condições básicas.

Psicologicamente é essencial sermos autônomos, assertivos, confiantes e termos autoestima elevada, pois sem essas condições, atribuiremos aos outros a causa das dúvidas, fraquezas, incertezas e desconfianças que temos a respeito de nós mesmos.

As pessoas envoltas as fraquezas são suscetíveis a cair em relacionamentos abusivos, sendo que o comportamento abusivo pode variar desde o abuso emocional, verbal, até o físico e sexual.

Relações abusivas são caracterizadas por jogos de controle, violência, ciúmes, abstinência sexual e frieza emocional. Não é fácil identificar uma pessoa abusiva, em geral são seres com grau de esperteza elevado que envolvem, e fazem com que o outro se sinta inferiorizado e se culpe por tudo que dá errado na relação.

A pessoa abusiva busca diversos subterfúgios para garantir a permanência na relação, mudando momentaneamente a forma de agir, fazendo juras de amor e promessas de amor eterno, tudo no intuito de permanecer no controle da relação. Esse ciclo de abuso emocional provoca baixa autoestima e depressão.

Relacionamentos abusivos nunca são abusivos no início, mas alguns indícios mostram o perfil de uma pessoa abusiva, sendo os mais clássicos: ciúme, possessividade, controle, superioridade e manipulação.

Por isso é sempre bom enaltecer que quando a relação traz mais dor que amor, é necessária uma reavaliação do relacionamento para isso procure ajuda.

Outro destaque é que ninguém muda o outro, por isso não pense que irá salvar a relação permanecendo num relacionamento abusivo, ao contrário o adoecimento é certo.

A terapia seja de casal ou mesmo individual é valida para se conhecer e entender que devemos permanecer em relações (laborais, familiares, afetivas e amorosas) que nos façam bem, elevando o astral, somando alegrias e ensinamentos de vida, nada de tristeza e melancolia.

Dra Laura de Oliveira Gonçalves (CRP/MT 18/2109), psicóloga atua na Abordagem Sistêmica (Terapeuta para casais, crianças, família, adolescentes). Especialista em Avaliação Psicológica e Especialista em Psicologia do Trânsito. Instagram: dralaura_psicologiaclinica – Cel.: (65) 98135-8840.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo