Agronegócios

18/03/2021 04:43 G1 MT

Preço da carne sobe cerca de 30% em um ano e seca extrema no Centro Oeste pode ter contribuído

A pior seca dos últimos 50 anos no Centro Oeste, no ano passado, matou a maior parte do pasto e os animais acabaram levando mais tempo para chegar ao ponto de serem vendidos.

O preço da carne subiu quase 30% nos últimos 12 meses, quase seis vezes acima da inflação registrada no período. A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária diz que entre os motivos está a queda na oferta de gado para o abate.

A pior seca dos últimos 50 anos no Centro Oeste, no ano passado, matou a maior parte do pasto e os animais acabaram levando mais tempo para chegar ao ponto de serem vendidos. Além disso, os criadores tiveram que investir em ração e o produto é feito a base de milho e algodão, que tem preços impactados pela alta do dólar em relação ao real, que subiu mais de 23% apenas no ano passado.

O pecuarista Júlio Rocha disse que a redução no volume das chuvas contribui. “O que a gente tem percebido é que o período das chuvas tem sido menores. Tem sido mais irregulares e com menos intensidade. Vários córregos voltaram a correr agora em janeiro. Para manter o mínimo necessário, nós tivemos que comprar suplementos”, afirmou.

O eletricista Ademar de Lara disse que teve que mudar o cardápio após essa alta nos preços da carne bovina. “Para amenizar a situação, a gente equilibra, compra carne de segunda, tenta mudar, comprar miúdos e assim que der. vai no ovo, no frango. Tem que achar uma alternativa”, contou.

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo também acompanha esse movimento de preços. Segundo o economista da instituição Tiago Carvalho, a alta também tá relacionada às exportações.

“Uma demanda externa muito forte. Comprou-se muita carne brasileira ao longo de 2020. A gente tem também o mercado interno, que com a ajuda do auxílio emergencial ao longo de dois mil e vinte, ajudou a manter patamares altos. mas nesse começo de ano já tá em ritmo menor”, disse.

No ano passado, foram exportados U$S 8.485.107.128, de acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo).

Para criadores e empresários, a tendência é de maior equilíbrio no mercado interno, já que mesmo com a volta do auxílio emergencial, a ajuda vai ser menor.

“Mesmo que a indústria pudesse ter mais oferta de carne para abastecer o mercado interno e até mesmo nas exportações, talvez eu não conseguisse vender tudo isso e aí poderia de fato ocasionar numa queda do preço”, avaliou o diretor de Operações do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), Bruno Andrade.


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo