Agronegócios

21/02/2021 06:38 Marianna Peres I Diário de Cuiabá

Mercado do algodão de MT tem tendência de alta nos preços

Demandas interna e externa, escassez da fibra de alto padrão e elevação da bolsa de NY contribuem

Devido à boa demanda interna e externa, à escassez da fibra de alto padrão e à elevação da bolsa de Nova York, o mercado doméstico de algodão manteve a tendência de alta, batendo mais um recorde de preços.

A fibra em Mato Grosso – maior produtor nacional - fechou a semana com ganhos de 2,8% em relação à média da semana anterior. Para o mesmo período do mês e ano passado, a alta é de 25% e 74%, respectivamente.

A pluma brasileira continua a subir, tanto ao produtor mato-grossense, quanto no atacado paulista. Além da demanda interna por reposição de estoques, os preços na Bolsa de Nova Iorque seguem em forte ascendência, refletindo na paridade e nos preços domésticos.

O valor da média desta semana, US$ 85,91, é 5% superior à média da semana anterior e 11% acima da média de um mês atrás. Conforme os analistas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com o afrouxamento das medidas restritivas durante o segundo semestre de 2020, as indústrias têxteis iniciaram um movimento de reposição dos seus estoques.

Com isso, a estimativa é de que foram consumidas internamente cerca de 600 mil toneladas, acima dos 580 mil toneladas que estavam sendo previstas para o ano passado.

“Esse movimento, juntamente com o dólar valorizado e o bom desempenho das exportações, impulsionou os preços da pluma no mercado domésticos para patamares bem elevados”.

Segundo o Ministério da Economia, as exportações tiveram na primeira semana de fevereiro uma alta de 111,1% sobre as 27,85 mil toneladas da semana anterior e de 33,3% sobre o acumulado do mesmo período de fevereiro de 2019.

Ao todo foram exportados 1,68 milhão de toneladas no acumulado desde julho, superando, assim, os 1,49 milhão t do mesmo período do ano anterior em cerca de 12,6%.

A expectativa para o saldo de exportações para o ciclo comercial de 2020/21 é de 2,11 milhões t, ou seja, o exportado até aqui corresponde a 79,9% desse excedente.

Para o mesmo período do ano passado, o percentual era de 77,6% do total que havia sido vendido para o exterior.

Dada a expectativa de redução da área plantada e o excelente saldo de exportação nos Estados Unidos, o vencimento spot em Nova York fechou a semana com uma valorização de 5% em relação à média da semana anterior.

As boas vendas externas norte-americanas e a previsão do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) de menores estoques para o país no final da safra 2020/21 são as principais fatores que contribuíram para a valorização, juntamente com a alta do petróleo.

Do lado baixista, tem como limitador o dólar americano valorizado e as incertezas quanto à retomada da economia no contexto da pandemia.

De acordo com o USDA, até 4 de fevereiro foram exportadas 59,95 mil toneladas, o que representa uma queda de 4% em relação às 61,41 mil toneladas da semana anterior e uma queda de 17,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Cerca de 12,80 mil t foram destinadas à China, ou seja, 21% do total.

Para o ano comercial 2020/21, o saldo para o acumulado chegou a 2,03 milhões t, cerca de 17,6% superior aos 1,73 milhão t para o ciclo anterior e 56,8% superior à média dos últimos cinco anos.


Banner whats nativa news

Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo