Agronegócios

19/09/2019 16:59 Ascom/Acrimat

Vacina contra febre aftosa de 2 ML é apresentada oficialmente

A diretora executiva da Associação dos Criadores de Gado de Mato Grosso (Acrimat), Daniella Bueno (centro), representou a entidade no ‘Fórum Vacina Contra Aftosa 2 ml – Inovação a Serviço da Pecuária Brasileira’, realizado pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), nesta quarta (18), em São Paulo (SP).

A vacina contra a febre aftosa teve dose reduzida de 5 ml para 2 ml na vacinação de bovinos e bubalinos. Segundo a Sindan, os fabricantes aceitaram fazer alterações na composição e volume de dose de imunização da vacina, atendendo demanda da cadeia produtiva.

“Seis entidades do agronegócio, entre elas a Acrimat, pediram mudança na composição da vacina contra febre aftosa aplicada em todo rebanho bovino do país, pois entendíamos que a alteração se fazia necessária para evitar que reações à vacina continuassem a trazer prejuízos ao produtor rural e às indústrias frigoríficas do setor”, explica o presidente da Acrimat, Marco Túlio Duarte Soares.

Daniella Bueno, que é médica veterinária, diz que com a redução da dosagem e a mudança na composição se espera a minimização de reações nos animais, como edemas e abcessos. “Com a diminuição do volume de óleo e a retirada da substância denominada saponina, que dificultavam a absorção e provocavam irritação no local da aplicação, causando edemas e severa reação inflamatória, espera-se a consequente mitigação na ocorrência de abscessos, que causavam prejuízos aos pecuaristas na hora do abate”, informa Daniella.

Outra vantagem, que pode parecer menos importante, é que com frascos menores, as vacinas ocuparão menos espaço, facilitando o transporte e reduzindo o custo de refrigeração.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a mudança da dose estava prevista no Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), que deverá culminar com a retirada total da vacinação no país prevista até 2021.

A nova tecnologia foi desenvolvida ou adaptada por oito indústrias do segmento, que investiram US$ 15 milhões para ter a nova vacina, sempre visando manter os mesmos parâmetros de qualidade e eficiência. Foram utilizadas 223 milhões de doses, equivalente a meio milhão de litros, com uma cobertura vacinal de 92%. Considerada um biológico perfeito, oferece proteção de seis meses, é bivalente, de fácil aplicação sub-cutânea e contém óleo.

Em novembro, segunda etapa da campanha nacional de vacinação, serão utilizadas outras 110 milhões de doses.

Prejuízos

Estimativas das entidades que presentam o setor, como Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (ABIEC) apontam que o produtor perdia, em média, 2 quilos de carne por animal abatido quando as lesões provocadas pela vacinação eram encontradas. O grupo de instituições do agronegócio afirma que a febre aftosa “é a doença animal com maior impacto econômico na atividade pecuária”.

Erradicação da aftosa

A previsão é de que todo o Brasil seja reconhecido como país livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) em 2023, como já ocorre com o estado de Santa Catarina. Produtores defendem que a partir do momento em que o Brasil estiver livre, o mundo abrirá suas portas para a carne com osso brasileira. “Quando isso ocorrer, poderemos exportar carne com osso, produto que não conseguimos exportar aos grandes consumidores por ainda praticarmos a vacinação. Isso é de interesse do governo brasileiro, da pecuária e da sociedade", destaca Marco Túlio.

O vírus da febre aftosa é altamente contagioso. O animal afetado apresenta febre alta que diminui após dois a três dias. Em seguida, aparecem pequenas bolhas que se rompem, causando ferimento. O animal deixa de andar e comer e, no caso de bezerros e animais mais novos, pode até morrer. A transmissão pode ocorrer por meio da ingestão de água e alimentos que estejam contaminados pela saliva de animais doentes. O vírus é resistente, podendo sobreviver durante meses em carcaças congeladas. Mato Grosso teve o último foco da doença em 1996. O Brasil é um país livre da febre aftosa com vacinação com reconhecimento internacional pela OIE.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo