Agronegócios

Agroindustrial do Café 04/09/2019 14:57

MT lança Diagnóstico da Cadeia Agroindustrial do Café

Com o intuito de promover a revitalização e expansão da cultura no estado, o governo do Mato Grosso lançou o Diagnóstico da Cadeia Agroindustrial do Café no Estado de Mato Grosso. O material é uma parceria entre a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, por meio da Unidade Descentralizada Embrapa Rondônia, e municípios com maior desempenho na atividade cafeeira.

 

O conteúdo apresenta as condições de produção e o nível de tecnologia aplicado pelos componentes da cadeia do café nas etapas de produção e comercialização. As informações também estarão à disposição de instituições públicas e privadas que lidam com ações de incentivo ao setor.

A amostragem foi realizada em 146 propriedades e 16 empresas comercializadoras, cerealistas e indústrias de torrefação, localizadas nos municípios de Alta Floresta, Aripuanã, Carlinda, Colniza, Cotriguaçu, Juína, Nova Bandeirantes, Nova Monte Verde, Tangará da Serra e Rondolândia.

 

Em Mato Grosso, a estimativa é de que a área total de café atinja 11,2 mil hectares, com 8,4 mil hectares em produção, e um volume final projetado em 118,8 mil sacas produzidas. Para o secretário de Agricultura Familiar, Silvano Amaral, o Programa MT Produtivo – Café é uma importante ferramenta conquistada pelo Governo do Estado e seus parceiros para a consolidação da cafeicultura local.

“O estado tem na assistência técnica a base do programa MT Produtivo, uma vez que dela depende todo o avanço tecnológico das lavouras, o que inclui o manejo apropriado de mudas altamente produtivas, a instalação de jardins clonais e a implantação das unidades demonstrativas, que irão funcionar como vitrines de boas práticas e incentivo aos demais produtores”, analisou Silvano, ao considerar a cafeicultura como uma atividade estratégica para a geração de renda e fortalecimento da economia.

 

Em Mato Grosso, apesar da ausência de uma produção técnica e do enfrentamento de uma série de variáveis que faz frente ao avanço dos agricultores familiares, a cafeicultura ainda desponta como uma significativa fonte de renda. Segundo o Diagnóstico, a produção familiar na região estudada está sustentada pela tríade café, pecuária de corte e leite.

“O diagnóstico traz diretrizes para a organização da cadeia do café em Mato Grosso e tem neste processo parceiros fundamentais como a Empaer, prefeituras municipais, consórcios intermunicipais, a Embrapa Rondônia (responsável por coordenar a elaboração do documento), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), as organizações dos cafeicultores, agentes financeiros, terceiro setor e o ramo de comercialização do café. O estabelecimento de ações conjuntas entre os segmentos ligados à cafeicultura é de suma importância para a garantia de competitividade ao grão produzido no Estado. Temos que avançar na produção de cafés de qualidade e diferenciados, capazes de atender aos paladares mais exigentes, e de maior valor comercial”, pontuou o superintendente de Agricultura Familiar, George de Lima.


Nativa News

Jose Lucio Junqueira Caldas
Alta Floresta - MT
Fone (66) 9.8412-9214
nativanews@hotmail.com

Redes Sociais

248x90

Todos os direitos reservados ao Site Nativa News
Qualquer material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo